Luanda - Em Luanda, a polícia impediu centenas de pessoas de se manifestarem neste sábado 21 de Agosto. Os protestos, contra a crise social e económica e as violações dos direitos humanos, multiplicaram-se um pouco por todo o país.

Fonte: RFI

O executivo do Presidente João Lourenço está a enfrentar neste sábado 21 de Agosto, em todas as províncias do país e na diáspora, manifestações para defesa do estado democrático e de direito.

 

As manifestações protagonizadas por organizações da sociedade civil, agrupadas no Movimento Angola Unida, visam denunciar as constantes violações dos direitos fundamentais dos cidadãos, o aumento da miséria no país e apoiar a anunciada Frente Patriota que deve agrupar os partidos, Unita, Bloco Democrático e o projeto político, Pra Já Angola, para enfrentar o partido governante, o Mpla, nas próximas eleições gerais de 2022.

 

Em Luanda, centenas de manifestantes foram impedidos de marchar pela polícia, alegando as medidas de biossegurança para conter a pandemia da Covid-19. Os manifestantes decidiram agrupar-se numa das principais praças de Luanda para contornar os argumentos das forças de segurança.

 

A crescente contestação das políticas do Presidente João Lourenço preocupa o partido governante, que multiplicou em todo país, acções políticas de mobilização.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: