Luanda - Os políticos Norberto dos Santos ‘Kwata Kanawa’ e Monteiro Pinto Capunga, ambos pertencentes ao MPLA, ultrapassaram as divergências que os apoquentava ultimamente, de acordo com informações a que tivemos acesso, consubstanciado, sobretudo, na retirada da queixa aos serviços de Investigação na província de Malanje que o governador movia contra o empresário.

* Carlos André
Fonte: Club-k.net

Integrantes da mesma família política, que se pretende apresentar mais forte na corrida eleitoral de 2022, Kwata Kanawa apoiou incondicionalmente o festival de dança tocoista, realizado na província que dirige, que teve como um dos principais impulsionadores Monteiro Kapunga, um fervoroso crente da Igreja do Nosso Senhor Jesus Cristo no Mundo, vulgo Tocoista, liderada por Dom Afonso Nunes.

 

Conta-se que os dois políticos, Kwata Kanawa e Kapunga, o maior investidor privado nas terras de Malanje, ter-se-ão reencontrado em privado para selar a paz existente entre os dois, uma vez que as divergências entre os dois foi alimentada por figuras já identificadas do secretariado provincial do MPLA em Malange, assim como de indivíduos que integram os quadros do próprio Governo Provincial de Malange.

‘Está mais do que provado que foram estes indivíduos que procuraram colocar os dois políticos de costas viradas e com isso tiravam proveito’, contou uma fonte deste portal.

 

Quanto às razões do conflito, estão também conscientes os dois políticos de que os atrasos que se verificam na realização de algumas empreitadas na província devem-se às dificuldades que o próprio país atravessa, sobretudo as de natureza económica.

 

‘O governador é uma pessoa com experiência. Um quadro calejado do partido. Agora, o importante é que se saiba tirar partido desta união’, contou uma fonte do MPLA em Malanje.


As informações vindas das Terras do N'gola Kiluangue indicam mesmo que  o empresário reconhece a capacidade de liderança do governador e 1 secretário na província.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: