Luanda - Num dia como ontem (8/09), há efectivamente 3 anos, perto das 22h, chegava aos angolanos a notícia da eleição de uma mulher, por sinal a primeira, ao cargo de Vice-presidente do MPLA.

Fonte: NE

Numa noite em que disputavam para o tão almejado cadeirão, Luísa Damião e Carolina Cerqueira.

 

A primeira, mais pacata e foi sempre distante dos olofotes, tendo chegado ao BP no Congresso de 2016.

 

Quanto à Carolina Cerqueira, um percurso sempre levada ao colo pelo seu tio Cardeal Dom Alexandre do Nascimento (irmão da sua mãe), sendo que, Carolina Cerqueira nasceu no Cuaza Norte (Caculo Cabaça), embora o seu pai seja um cidadão português.

 

Tendo exercido os cargos de Ministra da Comunicação social e Cultura, e por sinal também chegou a ser Directora do Comité Central do MPLA, a também comadre da Maria Luísa Abrantes "Milucha", enquanto madrinha da jovem Tchizé.

 

De lá aos dias que correm vê-se uma Vice Presidente do MPLA humilde, dinâmica e com uma invulgar inteligência estratégica, tornando-se numa coadjutora à altura da dimensão do Líder JLO e da família política do MPLA.

 

Em tão pouco Luísa Damião tornou-se num dos activos políticos de maior destaque na praça política nacional.

 

O apogeu deste seu percurso de VP deu-se aquando das reuniões regionais organizada pela Direcção Central do MPLA.

 

Luísa Damião visitou localidades recônditas do nosso país, levando sempre a mensagem do Líder do seu Partido, João Lourenço, na luta do combate à corrupção, a impunidade rumo ao desenvolvimento das populações do nosso país.

 

Das imagens que a nossa TPA deu-nos ver, estava sempre muito serena, tranquila e firme na transmissão da sua comunicação.

 

Há quem diz que o Presidente João Lourenço sempre acompanhou a entrega abnegada desta senhora ainda no tempo em que o mesmo era Primeiro Vice Presidente da Assembleia Nacional, e ela deputada, daí a ter colocado na concorrência do citado cargo.

 

O mérito desta invejável senhora da nossa política deve-se em grande medida ao Presidente João Lourenço que apostou ao gênero feminino para à sua coadjuvação na liderança partidária.

 

A esta filha de Malanje, nascida a 31 de Agosto de 1963, no município de Caculama, desejo êxitos no cumprimento das suas missões, mantendo-se sempre humilde e temente a Deus.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: