Rio de Janeiro – Um grupo de angolanos concentrou-se na tarde desta sexta-feira, 10, defronte a embaixada de Angola em Brasília, para de vários assuntos exigir a destituição de Laurinda Cardoso do cargo de Presidente do Tribunal Constitucional a pretexto de que não reúne condições morais para as funções que exerce.

Fonte: Club-k.net

Munidos de um megafone, os lideres da manifestação exaltaram palavras de ordem pedindo igualmente ao afastamento de Manuel Pereira dos Santos “Manico” das funções de Presidente da Comunicação Nacional Eleitoral. Os protagonistas denunciaram que o partido no poder em Angola, o MPLA pretende realizar eleições na diáspora mas com a contagem de votos a ser feita em Luanda, o que reprovaram exigindo uma agenda eleitoral mais abrangente.

 

“A proposta de lei eleitoral do MPLA está matar a democracia. Somos angolanos, nascemos em Angola, Fomos obrigados a sair do país, por falta de condições, Angola está nestas condições devido a falta de dialogo”, reivindicou um dos manifestantes exigindo uma Angola com mais aberturas, e com “eleições livre e sem rodeios”.

 

No decorrer da manifestação, que foi transmitida em directo pelas redes sociais, as autoridades diplomáticas angolanas telefonaram para a Polícia brasileira exigindo a retirada dos protagonistas da manifestação que exigiam conversações com os representantes do Estado angolano na capital brasileira. Como consequência, Polícia brasileira prendeu o manifestante angolano Marley Ibraihm, depois de ter sido agredido por um segurança da embaixada.

 

Os manifestantes acusam o embaixador de Angola no Brasil, Florêncio Mariano da Conceição e Almeida como a entidade que chamou a Policia para coatar os seus direitos.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: