Lisboa - Na versão de altos funcionários da Comunicação Social em Angola, a desgraça que Manuel Rabelais enfrenta  esta associada ao  repartimento  de 30 milhões de dólares aprovados que seriam para a compra, em França de  carros de apoio técnico para cobertura do CAN 2010.


Fonte: Club-k.net


Manuel Rabelais segundo esta versão terá usado “apenas” seis milhões de USD que usou para alugar os carros a uma empresa portuguesa. (O Preço real do aluguer terá sido  três milhões de USD e o mesmo terá persuadido a empresa portuguesa a apresentar uma factura de seis milhões em beneficio de uma comissão 50% dos valores).


De acordo com os seus antigos colaboradores, o seu problema esta em como justificar os restantes USD 24 milhões que terão sobrado do dinheiro que seria para a compra do material.


Os mesmos entendem que as autoridades angolanas não irão sacrificar o antigo Ministro  perante a justiça pelas seguintes razões que apresentam:


- Ao ser julgado como “ex Ministro”, e numa processo ligado a corrupação o seu processo afetará a imagem do governo.

- Rabelais pode defender-se  apresentando, diante das instancias judiciais, uma lista contendo supostos nomes de  elementos de confiança do PR (partido e Presidência) que segundo dizem recebiam periódicas ofertas ou presentes  do antigo ministro.


Relativamente a sua exoneração, os mesmo dizem que ele já pressentia que iria sair por isso suspeitam  que algumas medidas de apropriação de fundos do estado para seu beneficio pessoal esteja associada a isto.


Entendem igualmente de que “muito” que se circula em Luanda a respeito do mesmo é reflexo de um cenario irreal destinado a abalá-lo ou a criar a imagem que o regime esteja a sacrificá-lo apenas para “alegrar”, a comunidade da comunicação social que se mostra farta do antigo Ministro.


Hélder Barber criticado por imaturismo 


Por outro lado estes  antigo colaborador tem reprovado a atitude de Hélder Barber, da comissão de gestão da TPA  a quem chamam de “miúdo” face ao suposto procedimento adoptado. Helder Barber foi chamado recentemente para apresentar contas sobre a gestão da TPA e no momento atribuiu  responsabilidades da “sua mà gestão”, a antiga direção liderada pelo economista Fernando Cunha. Este foi chamado e soube justificar-se.  Hélder Barber é desencontrado para integrar a futura direcção da TPA que poderá ser dirigida por Rui Cunha próximo a Rui Falcão, Secretario para informação  do MPLA. 


RNA alvo de inspecção


O problema de gestão estende-se para a RNA que esta em vias de ser alvo de uma inspeção. Foi notada a existência de duas folhas de salários. Uma irreal em que apresenta funcionários X a ganharem 200 mil kwanzas e outra original em que os mesmos são apresentados como vencendo um valor inferior ao da folha que vai ao orçamento geral do estado. No seguimento da inspecção serão observados atrasos de salários do presente mês.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: