Luanda - Segundo dados do Ministério das Finanças, 80% das receitas de Angola provêm do setor petrolífero. A província do Zaire representa 80% do mesmo setor, mas a percentagem de lucros de retorno é zero.


Fonte: DW

A província do Zaire, a norte de Angola, é considerada um bastião da economia angolana. A maior parte das receitas petrolíferas vêm desta província, que tem também o maior mercado fronteiriço do país. Mas os cidadãos no Zaire dizem que pouco ou nada se faz, em contrapartida, para o desenvolvimento da província.

O académico Ernesto António chama a atenção para o quanto a província do Zaire contribui para a economia angolana.

"Atualmente, o Zaire é o baluarte no abastecimento do orçamento geral do Estado."


Sem lucros


É desta província que flui grande parte do petróleo que mantém a chama da economia angolana acesa. Segundo dados do Ministério das Finanças, 80% das receitas de Angola provêm do setor petrolífero e dessa "fatia, 80% provêm do Zaire.


A DW África falou com alguns cidadãos que afirmam não sentir os benefícios de viverem na província que mais contribui para os cofres do Estado. Para o funcionário público Álvaro Eduardo falta de tudo um pouco. O morador de Mbanza Kongo sente-se abandonado pelo Governo central.

"Que mal é que te fizemos, Executivo angolano? O Zaire neste momento é igual a zero. Centralidades, nenhuma, por cá. Hospital sem dignidade, estruturas de ensino superior feitas de papel. Quando é que seremos colocados na agenda das prioridades desse Executivo que, quinquénio após quinquénio, nos enche de promessas?"


Promessas de antigamente

Aquando da elevação da cidade de Mbanza Kongo à categoria de património pela UNESCO, em 2017, os governantes garantiram que estavam empenhados em dar mais dignidade à província. Prometeram construir um novo aeroporto internacional, um novo polo universitário e uma centralidade. Mas, até ao momento, nenhuma das promessas foi concretizada. Acresce que faltam empregos, revela o estudante universitário, Garcia Tovola.

"Anualmente entram mais jovens no mercado de trabalho. R esse mercado de emprego é escasso. Hoje estamos a falar de uma taxa de desemprego ao nível da província de cerca de 75%".

Mbanza Kongo é património da UNESCO desde 2017


A 17 de setembro, data em que Angola celebra o Dia do Herói Nacional, Agostinho Neto, a juventude do Zaire vai para as ruas exigir melhores condições de vida. Os jovens pedem ainda que o Zaire tenha um estatuto especial, a exemplo da província de Cabinda, que beneficia de 10% das receitas do petróleo explorado na região.

 

Zaire deixado para trás


O economista Nsimba Rosada diz que a região não recebe dividendos da exploração dos recursos naturais na província desde sempre.


"Essa província não beneficia dessas riquezas. Esse problema já vem desde o tempo colonial e até aqui não se solucionou. Desde que terminou a guerra [civil], em 2002, toda a zona sul já foi reconstruída, mas a parte norte: nada, principalmente na província do Zaire."
Para Rosada chegou o momento das autoridades de Luanda se debruçarem sobre as necessidades da população do Zaire e estudarem a possibilidade de uma contrapartida à contribuição da região para os cofres públicos angolanos.


"O Governo tem de ver o que vai fazer, ver do que a população precisa. É com investimentos públicos que o Governo consegue satisfazer as necessidades da população," disse Rosada à DW África.

Contactadas pela DW, as autoridades provinciais recusaram-se a falar.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: