Paris - A ascendência que o Sr. Makuta Nkondo adquiriu nos últimos anos ao falar do nosso país, Angola, em geral, e dos bakongo, em particular, é um dos factos mais marcantes das derivas da nossa sociedade. Ele é indiscutivelmente o político mukongo mais conhecido depois de Holden Roberto hoje, certamente aquele com o apoio mais popular. Assim, se tivesse mais habilidade e tacto, poderia ter construído um percurso político diferente e não seria expulso de todos os partidos. Hoje, o Sr. Makuta Nkondo é um dos autoproclamados porta-vozes dos angolanos, um povo mártir mas paciente e generoso, razão pela qual podemos hesitar em criticá-lo abertamente pelos seus abusos. E, no entanto, é chegado o momento de falar com toda a sinceridade, e com a maior cortesia, dos erros e faltas do Sr. Makuta Nkondo, sem ser acusado de caluniador e irreverente. E esta iniciativa é tanto mais legítima quanto emana de um filho do seu próprio povo, os bakongo, a quem irritou com as suas declarações infundadas sobre as origens não angolanas de Holden Roberto que deixaram um profundo sentimento de pesar, tristeza e preocupação. O seu povo, os bakongo, como muitos angolanos que aspiram a viver numa Angola mais justa e bela, admira os esforços do Sr. Makuta Nkondo para denunciar o mal e fazer triunfar o bem, razão pela qual se prontificou a perdoar muitos erros. Excepto este. 

Fonte: Club-k.net

Ouvi falar do Sr. Makuta Nkondo, um personagem colorido, por volta de 2016 e gostei da sua sagacidade de espírito, verve feroz e a sua capacidade inocente ou consciente de amalgamar coisas importantes realmente fazia-me rir. Descobri-o sobretudo através de um vídeo cujo conteúdo esqueci mas que tinha este facto particular que me chamou a atenção porque me permitiu classificá-lo definitivamente numa categoria: O Sr. Makuta Nkondo citava felizmente Robespierre, o rosto do terror da Revolução Francesa, e parecia ser uma boa referência para ele. Vi por esta citação que ele nada sabia sobre o maior assassino da história da França; o que ele fez e como terminou. Então entendi quem era o Sr. Makuta Nkondo: um fanfarrão, um sensacionalista, um falso intrépido, o que talvez explique a sua caótica trajectória política. Mas ser como ele não é necessariamente um defeito mau, longe disso. Já que num país como o nosso onde nada vai bem, as pessoas desesperadas precisam relaxar com coisas sérias anestesiadas, estão prontas para ouvir tudo e o último que falou para elas tem razão. Assim, personagens como o Sr. Makuta Nkondo, que é considerado um grande defensor de um povo sofredor, têm o palco para divagar sobre tudo o que vem à sua mente.


Só que, mesmo em Angola, país constantemente profanado, ninguém tem o direito de dizer qualquer coisa sem provas apenas para entreter as massas e se destacar. E nós, angolanos, não temos que deixar dizer tudo de qualquer maneira. Em todo caso, é o reflexo básico que um cidadão consciente deve ter num país que o possui. Que o Sr. Makuta Nkondo diga e repita em todos os lugares que está autorizado, não sei por que autoridade, a dizer isto ou a não dizer aquilo sobre os bakongo, isso só compromete ele próprio. E até a semana passada, eu ainda o considerava, como qualquer mukongo mais novo o faria, como um ancião e isso infelizmente também me levou a aceitar os seus múltiplos amálgamas. Mas o seu último deslize, que vi recentemente num vídeo em que defendia a autenticidade da angolanidade de Adalberto Costa Júnior, como se tivesse estado presente no dia do seu nascimento, e em que negava ao mesmo tempo a angolanidade de Holden Roberto, a quem chamou de mungala, não agradou a nenhum filho digno mukongo, nem mesmo à Autoridade máxima do Lumbu.


Muitos de nós já ouvimos aqui e ali, pelo menos uma vez, de pessoas supostamente sérias e de referência, que Agostinho Neto era filho de um catequista bissau-guineense e por vezes liberiano. Das mesmas pessoas, como o Sr. Makuta Nkondo, que se julgam conservadores do registo civil, ficamos a saber também que o Savimbi era filho de um catequista zambiano, que José Eduardo dos Santos é santomense e, cada vez mais, que João Lourenço é katanguês. Na verdade, o que estamos a tentar dizer com essas informações que pretendem ser benevolentes? Então, o que significa ser angolano no final das contas? Em todo o caso, o que sei é que todos estes homens, apesar de tudo, comprometeram a vida por Angola e isso é um facto. Portanto, acredito que é hora de rever a nossa definição de angolanidade, a fim de construir uma Angola mais inteligente para todos os seus filhos. Porque até o filho pródigo, este que voltou terça-feira de Barcelona, o mais famoso refugiado angolano voluntário em Espanha que a generosa Angola recebeu de braços abertos, é seu filho apesar da catástrofe que criou.
O trabalho do historiador é contar a história do início ao fim. Mas o político não conta a história, ele escolhe, o que faz o Sr. Makuta Nkondo, para fins populistas. É o que também o MPLA tem feito desde a subida ao poder, e muitas vezes contra os seus inimigos reais e imaginários, porque para ele a memória é escolher e é por isso que hoje temos o país que temos que não sabe elucidar as origens dos Pais da sua Revolução. Mas o Sr. Makuta Nkondo deveria ter vergonha de aproveitar este momento psicológico em que o país está no seu ponto mais baixo e à beira do colapso para destilar o seu veneno. Deveria ter vergonha de si mesmo porque nem mesmo conhece a cultura do povo que afirma representar e do qual afirma ser o Príncipe. Não sabe que na cultura dos bakongo o filho pertence à sua mãe e a mãe de Holden Roberto, Joana Lala Nekaka, é conhecida em Mbanza-a-Kongo - que não é a terra do Sr. Makuta Nkondo - e ela é da kanda dos Nimi-a-Lukeni. E a sua família está presente sempre que uma homenagem é feita a Holden Roberto no seu túmulo, que não está dentro do terreno do sagrado Kulumbimbi por acaso. Tive o cuidado de verificar isso com o meu tio-avô paterno que não é nada menos que o Chefe das Autoridades Tradicionais do Lumbu, Afonso Mendes.


O Sr. Makuta Nkondo já ouviu falar de Manuel Sidney Barros Nekaka e Miguel Nekaka? Em suma, ainda quero aprender com o Sr. Makuta Nkondo, por isso estou à espera de todas as provas ao seu dispor que provem que Holden Roberto não é angolano. Não sou da FNLA, pelo contrário, nasci no MPLA. Sou de Mbanza-a-Kongo, conheço a história do meu povo e a FNLA tentou várias vezes matar o meu pai por ser Assimilado e do MPLA. Um dos alunos do tempo colonial do meu pai tornou-se um famoso comandante da FNLA, o Comandante Mpanzu, que ainda é acusado de matar Deolinda Rodrigues, e era parente da minha mãe. Um dos irmãos mais novos da minha mãe foi um dos guarda-costas de confiança de Holden Roberto e outro comandante famoso da FNLA, Manuel Wete Soma, pai de Jean-David Soma, do MAKO (Movimento de Autodeterminação do Kongo) e posteriormente da UNITA, um amigo do General Gato, casou-se com uma das irmãs mais novas da minha mãe. Portanto, defendo a verdade e a paz.


Então é hora de pensar que tipo de angolanos queremos ser, porque a esse ritmo o nosso país não tem futuro, como certos países africanos. O Sr. Makuta Nkondo seria mais útil para a futura nação angolana se agora infundisse o seu entusiasmo, toda a sua energia sem limites numa fé inabalável por uma Angola unida e mais forte. Abraçar todas as técnicas do populismo triunfante para ganhar a simpatia de um povo maltratado e de um partido que lhe daria um assento oportunista só pode afundar-nos mais. Não sei quanto custa e não sei quanto nos custará, mas temos de criar uma Angola para todos. Criar uma nação de grande valor custa o que tem que custar.


Ricardo Vita é Pan-africanista, afro-optimista radicado em Paris, França. É colunista do diário Público (Portugal), cofundador do instituto République et Diversité que promove a diversidade em França e é empresário.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: