Luanda - As recentes eleições presidenciais zambianas criaram nas redes sociais angolanas dois campos que se “digladiaram” até ao limite.

Fonte: CA

De um lado, posicionaram-se aqueles que defendem que, tal como na Zâmbia, em Angola a alternância presidencial é possível e está no horizonte de muitos cidadãos.


Do outro, colocaram-se aqueles para quem a alternância, no nosso país, só mesmo em sono. “Zâmbia não é Angola”, repetiram, até à “rouquidão aqueles que entendem que o MPLA e o seu presidente são inamovíveis.

Estranhamente, os dois lados têm razão.


1. Como na Zâmbia, em Angola também haverá alternância. É uma questão de tempo. O MPLA não está petrificado no poder. Por isso, é legítimo o paralelismo entre os dois países.


2. Angola e Zâmbia são, efectivamente, diferentes. Em Angola, o Governo acaba de autorizar o aumento de propinas no ensino privado e público entre 15 a 25 %.

António Pacavira, presidente da Associação Nacional do Ensino Particular, quase desdenhou de tais aumentos, qualificando-os como pouco significativos.


Na Zâmbia, mal foi eleito, o novo Presidente ordenou o fim das propinas escolares para garantir ensino gratuito a todos os cidadãos.


A imprensa zambiana dá como certo que, de visita aos Estados Unidos, o Presidente Hakainde Hichilema já tem garantida audiência na Casa Branca. Na quinta-feira, 23, ele será recebido na Casa Branca pela vice-presidente Kamala Harris.


Uma delegação de altos funcionários da Presidência angolana está nos Estados Unidos há mais de uma mês a “torrar dinheiro” para tentar que o Presidente João Lourenço seja recebido na Casa Branca. Não conseguiu.


O Jornal de Angola está a comemorar como sucesso da digressão americana de João Lourenço uma homenagem que lhe será feita por uma associação de ambientalistas. É uma bela “consolação”.
A activista Laura Macedo diz que a ICCF, a fundação que promoverá a homenagem a João Lourenço, é detida por um grupo que é financiado pelo Governo angolano.


Outra diferença marcante entre a Zâmbia e Angola: o Presidente Hakainde Hichilema viajou aos Estados Unidos a bordo de um avião de carreira da Qatar Airways e comanda uma comitiva de apenas
4 indivíduos, ele incluído.


Em Angola e por causa da dita parceria estratégica que se diz que vai de vento em popa, contam-se pelos dedos das mãos – e ainda sobrarão muitos – os ministros que não foram incorporados na delegação presidencial.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: