Luanda - Vontade, persistência, eficácia, disciplina...são algumas das palavras-de-ordem, carregadas de energia positiva, pronunciadas por um grupo de formandos habilitados ao som erudito. Eles querem superar-se a cada dia, e, em todo o momento, materializarem-se nos ensinamentos de Pedro Fançony, o professor disciplinado e excessivamente exigente.

* Luís Paulo
Fonte: Club-k.net

Fundada em 2008, a Orquestra Sinfónica Kaposoka é constituída maioritariamente por crianças, adolescentes e jovens de famílias desfavorecidas. O projecto, com escolas nas localidades da Samba, Zango Trés, Catete ( Luanda) e no Sumbe (Cuanza-Sul), prevê expandir-se para mais províncias em Angola. Um projecto de inclusão social e musical, com jovens resilientes, que tanto ou muito treinam para alavancar o seu talento e, individual ou colectivamente, lhes ser permitido dar voos internacionais de cariz musical. Os músicos mais talentosos da Escola Kaposoka respondem, desde 2018, com sucesso à sua formação nas mais prestigiadas universidades de arte da Rússia, no âmbito de uma parceria dos governos de Angola e da Rússia.


É a escola da Orquestra Sinfónica Kaposoka, ao Distrito Urbano da Samba, em Luanda, que recebeu, na tarde amena de Domingo, 26 de Setembro, a visita de um Ilustre amigo, um profissional da arte que cedo, ainda nas vestes de jornalista cultural, acreditou no projecto e na descoberta de novos talentos de clássicos do poema sinfónico.

 


Jomo Fortunato, agora na qualidade de ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, regressou a uma "casa" que bem conhece, e lá foi testemunhar o processo de evolução técnica dos jovens, instrumentistas, da Orquestra Sinfónica Kaposoka, e o papel que estes desempenham para a busca da excelência e do equilíbrio temático, desde o Classicismo (Mozart, Haydn...) o Romantismo (Richard Wagner, Gustav Mahler...) aos clássicos da Música Popular Angolana (Teta Lando, Rui Mingas...), com breves incursões aos monumentos da música antilhana (com destaque a Eric Virgal, com arranjos originais de Ronald Tulle, no seu conceituado tema em crioulo "Pa fè mwen la pen", -, querendo fazer-saber, na tradução em português, "Não me faça mal").

 

A verdade é que no domingo, 26, Angola, Rússia, Alemanha, França/Antilhas tornaram-se num único ponto de vivências, lembranças de clássicos, e a demonstração em concerto sinfónico" com espírito e alma à dimensão de uma Orquestra, Kaposoka, que irremediavelmente tem estado a matricular vários dos seus formandos na "escola dos grandes instrumentistas" de uma nova vaga de Angola. É, sim!!! É esta Orquestra Sinfónica Kaposoka que Elena Tararova, esposa do embaixador da Rússia em Angola, destacou o profissionalismo dos seus inquilinos, referindo-se-lhes do nível de interpretação e o amor sincero à música clássica.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: