Londres - Uma caravana integrada pelo grupo de avanço que geralmente antecede as deslocações do Presidente da República ao exterior, efectuou gastos de 140 mil euros ao escalarem neste fim de semana, Lisboa com destino a Glasgow. Os gastos surgem semanas depois de João Lourenço ter instruído a redução do pessoal que o acompanha nas viagens na sequência da conduta indecente protagonizada por alguns funcionários na última deslocação a Madrid, causando despesas de 30 mil euros em bebidas retiradas do hotel.

Fonte: Club-k.net

JL recomenda redução de funcionários nas viagens

João Lourenço chegou a Glasgow, Escócia na manhã deste domingo (31) transportado num voo presidencial. O seu grupo de avanço saído de Luanda, deveria ter chegado ao destino na sexta-feira (29) para o receber mas isso não aconteceu por terem ficados “retidos” em Lisboa por alegada descoordenação, no agendamento dos voos de conexão.

 

Impossibilitados de seguir viagem na manhã desse dia a caravana de cerca de 35 funcionários  não conseguiu embarcar por falta de passagens aéreas, não restando outra saída senão instalarem-se no “hotel 3K”, na Avenida da República, Campo Pequeno, aguardando por confirmação de voos no dia seguinte (sábado).

 

Paralelamente, recorreram a agencia ATLÂNTIDA - VIAGENS E TURISMO, S.A, para compra de passagens tendo um funcionário identificado por Filipe Moreira comunicado que não haviam mais lugares disponíveis pelas quatro rotas existentes (Londres, Frankfurt, Londres, Amsterdão). O voo que até então conseguiu seria para as 15h25 de domingo (31), em que a comitiva voaria pela KLM para Edimburgo (chegada as 22h00) via Amesterdão. De Edimburgo a caravana seguiria, por estrada para a capital Glasgow, com duração de uma hora. Os custos das passagens para estes 35 funcionários ficaram em 70 000 euros.

 

Ao notarem que está viagem a Glasgow via Amsterdão e Edimburgo, os consumiria muito tempo e apenas chegariam ao destino as 23h da noite de domingo, os responsáveis pela organização da caravana foi torcendo por uma outra alternativa. Na manhã de sábado (30), a agencia de viagem comunicou que conseguiu lugares para um voo mais próximo, desta vez viajando pela companhia TAP via Manchéster, e dai apanhariam um carro (3h de duração) que os deixaria em Glasgow. A ATLANTIDA voltou a emitir novas passagens (orçadas em 70, 000 euros) sem reembolsar os bilhetes anteriores. Ao total, o Estado angolano desembolsou 140 mil euros em bilhetes de passagem (alguns não utilizados)

 

Com sede em Lisboa e uma sucursal em Luanda, a ATLANTIDA, é uma agência de viagens ligada ao antigo Vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente. A referida agencia tem um contrato antigo celebrado com o governo de Angola para emissão de bilhetes de passagens para funcionários da Presidência da República, da Sonangol, e das missões diplomáticas de Angola em Portugal.

 

Segundo apurou o Club-K, há fortes suspeitas de ocorrência de sobrefaturação na compra destas passagens. O Site da TAP indica que uma passagem de Lisboa a Edimburgo fica por 165 euros, na classe económica. A ATLANTIDA vendeu cada passagem por 2000 euros, na mesma classe.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: