Luanda - Angola produziu, até setembro deste ano, pouco mais de sete milhões de quilates de diamantes, dos 9,1 milhões programados, cuja comercialização ultrapassou já mil milhões de dólares (862,5 milhões de euros), anunciou hoje o presidente da diamantífera angolana.

Fonte: Lusa

Segundo o presidente do Conselho de Administração da Empresa Nacional de Diamantes de Angola (Endiama), José Ganga Júnior, todas as empresas mineiras estão a trabalhar para se atingir o objetivo de produção de 9,1 milhões de quilates de diamantes, salientando que apesar da pandemia regista-se um aumento no volume de atividades das diamantíferas.


"Estamos a trabalhar exatamente para cumprir este objetivo, não obstante as adversidades que temos desde o ano passado, em que tivemos que reduzir algumas operações mineiras, mas conseguimos resistir", disse José Ganga Júnior, que falava numa conferência de imprensa, promovida pelo Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, para anunciar a realização da I Conferência Internacional de Diamantes de Angola, que terá lugar em Saurimo, capital da província da Lunda Sul, entre 25 e 27 deste mês.


José Ganga Júnior referiu que todas as empresas de mineração de diamantes estão a trabalhar e gradualmente a aumentar o volume de atividades.

 

O responsável recordou o lançamento de dois novos projetos mineiros e salientou que a empresa está a trabalhar "para melhorar os que hoje funcionam com alguma debilidade, nomeadamente o antigo Luó e Camútue", entretanto reestruturados e que já se encontram "numa fase de crescimento".

"Pensamos que sim, que vamos cumprir com o nosso programa de atividades", sublinhou.


O presidente do Conselho de Administração da Sociedade de Comercialização de Diamantes de Angola (Sodiam), Eugénio Bravo da Rosa, disse à agência Lusa, sem avançar o valor já arrecadado este ano com a comercialização de diamantes,que foram já ultrapassados os mil milhões de dólares registados em 2020.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: