Luanda - A direção da comissão instaladora do partido “ESPERANÇA” rejeitou recentemente um convite que lhe formulado em nome do general José Ferreira Tavares para uma abordagem, na qual o interessado iria se propor a sugerir “soluções de luta política”, no no lugar da constituição de uma nova força política, em Angola.

Fonte: Club-k.net

REGIME CONTRA SURGIMENTO DE MAIS PARTIDOS 

A mensagem transmitida pelo alegado emissário do general, foi baseada numa retorica interpretada como servindo para “desmotivar” o registro de um novo partido político no país.

 

O partido “ESPERANÇA” é um projecto liderado pelo antigo deputado da UNITA, Mfunka Muzemba. O general Tavares por sua vez, é o dirigente do MPLA cujas ações são reveladores da apologia ao não surgimento de mais partidos políticos, em Angola, como medida de retenção a pressão social e política ao Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço.

 

É identificado como o oficial do regime que terá se apresentado como interlocutor valido, em meios da oposição, prometendo a legalização do PRA-JA Servir Angola, mas por outro lado exigindo, como moeda de troca, a saída dos seus promotores da FRENTE PATRIÓTICA UNIDA, a coligação liderada por Adalberto Costa Júnior (ACJr), Filomeno Vieira Lopes (FVL) e Abel Epalanga Chivukuvuku (AEC).

 

O general Tavares Ferreira é a figura da alta confiança do Presidente João Lourenço, a quem foi-lhe confiada tarefas de aproximação aos partidos da oposição. Desde o inicio do primeiro semestre do ano em curso que o general reformado tem desenvolvido trabalhos de enfraquecimento a UNITA resultando em simulações de deserções. O seu maior ganho foi a mobilização de grupos internos na UNITA por via de um “pivot”, Kawik Sampaio Costa.

 

Para além de desencorajar o surgimento de mais partidos políticos ou coligações em Angola, o general Tavares sucedeu-se no uso do Tribunal Constitucional para o afastamento de Adalberto Costa Júnior da Presidência da UNITA, e com isso condicional a sua posição de cabeça de lista as próximas eleições gerais em Angola.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: