Lisboa - O Serviço de Migração e Estrangeiro de Angola (SME), liderado pelo Comissário de Migração João António da Costa Dias (na foto),  impediu, no passado sábado, 20, três ativistas de viajaram para Cabo Verde por razões não convincentes para os visados.

Fonte: Club-k.net

Segundo apurou o Club-K, tudo aconteceu na noite de sábado, quando um grupo constituído por 6 ativistas angolanos preparava-se para viajar para a Ilha de Santiago, Cabo Verde, com escala a Lisboa, de 4 horas, pela transportadora portuguesa TAP. O propósito da viagem seria a realização de contactos para trocas de experiencias sobre matérias de eleições autárquicas. No balcão do SME, em Luanda, um funcionário impediu que três dos elementos da caravana viajassem deixando os outros seguirem a viagem.

 

“Os três jovens foram impedidos de sair de Angola, sem qualquer justificação legal, no convite feito pela Friends of Angola (FoA) para uma viagem de intercâmbio em Cabo Verde”, denunciou – no Twitter - o ativista e director da ONG, Friend of Angola, Florindo Chivukuti, considerando que “os direitos básicos e constitucional deste jovens foram violadas”.

 

O Club-K sabe que ao serem interpelados em no aeroporto de Luanda, um oficial do SME, depois de tantos rodeios alegou que receberam ordens superiores para impedir a viagem, uma vez que semanas antes, um jovem que fazia a mesma rota, ao invés de seguir para Cabo Verde, pediu asilo político as autoridades portuguesas, no momento da escala no Aeroporto Humberto Delgado, em Luanda.

 

A caravana de activistas angolanos que seguia para Cabo Verde previa regressar ao país no próximo dia 26 de Novembro. Na cidade da Praia, o grupo teria um encontro de cortesia agendado para esta segunda-feira com a embaixadora de Angola naquela Ilha, Júlia Machado, e outros em separado com o Presidente da Camara Municipal da Praia.

 

Para o dia 23 de Novembro, a agenda esta marcada com uma deslocação a Assembleia Nacional de Cabo Verde, na qual terão encontros com os lideres da bancada parlamentar do PAICV, MPD, JPAI.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: