Paris - Para os economistas que defendem a necessidade do aumento da produtividade antes do reajuste salarial, em meu entender, há um equívoco  de percepção de algumas variáveis macroeconômicas. Ora vejamos, não tem como houver aumento de produtividade se não houver um reajuste sério e profundo em relação aos salários.

Fonte: Club-k.net

Quem fala em aumento da produtividade, fala em investimento. Nós sabemos que o investimento depende da capacidade de poupança e, por sua vez a poupança em função da renda disponível.

Numa linguagem macroeconômica diríamos que o consumo varia em função da renda

Explicando em fracção

Y= C + S

Y representa a Renda (salário lucro) o C representa o Consumo e o S a poupança, que dará a seguinte equação:
🔺Y=🔺(C+S)

Sempre que houver uma variação na renda haverá variação no consumo e consequentemente na poupança.

Havendo um aumento na renda, haverá um aumento no consumo e consequentemente aumento na poupança, porque parte do nosso rendimento serve para o consumo e outra parte vai para poupança.

O investidor consome parte do seu capital na compra de matéria prima para o aumento da sua capacidade produtiva e outra parte vai para poupança.

Salário mísero , significa fraco consumo e, fraca poupança ou poupança nula.


O investimento depende incondicionalmente da chamada taxas de capitais que são : máquinas, ciência e tecnologia ou seja conhecimento, tudo isso custa dinheiro (salário renda).


Vejamos, o exemplo simples de um/uma chefe família com 5 filhos que em consequência do seu mísero salário compra 5 pães, caso haja aumento do seu salário, consequentemente haverá um aumento no consumo ou seja ele passa a comprar o dobro dos pães, como consequência dessa demanda por parte do consumidor, o padeiro terá a obrigação de aumentar a sua produtividade para satisfazer a procura de mais pães por parte dos consumidores, numa teoria Keynesiana, contrária a lei do economista Jean Batistae Say a também chamada lei de Say, diríamos que é a demanda que irá gerar a oferta. As fabricas só irão produzir mais ou aumentar a sua produtividade caso o consumidor tenha capacidade de compra.


Veja que o padeiro terá de contratar mais mão de obra para o aumento da sua produtividade e consequentemente aumento na criação de mais postos de trabalho e aumento na arrecadação tributária.

Significa mais dinheiro para efectivação de políticas públicas como criação de escolas, merenda escolar, saúde, desporto, habitação, transportes públicos etc, etc.


Observam que o crescimento e o desenvolvimento económico do país está condicionado no ajuste salarial ou seja, no aumento considerável dos salários.

Salários mísero significa, fraca ou pouca arrecadação, pouca arrecadação significa baixo consumo, baixo consumo significa baixa poupança e ao longo prazo, uma queda nos investimentos ou seja na produção.


Segundo a nossa constituição no seu artigo 1 ° Angola é um Estado democrático baseado na justiça, igualdade e progresso social. Este ajuste deve ser extensivo a atribuição de um rendimento mínimo necessário para a subsistência do desempregado, da viúva/o e os incapacitados no exercício de uma actividade laboral remuneraria. É isso que significa estado de bem estar social


Pese embora, alguns defendem que essa medida seja considerada como populista, o que pode ser verdade, tendo em conta as eleições que se avizinham, minha análise não se focaliza nos aspectos valorativos/antológicos do acto em si, sem ignorarmos que se for essa intenção primordial do executivo na implementação dessa política ela é nefasta.


Meu grande mestre Dr Senny professor da faculdade de economia Clermont-Ferrand ensinou-me algo, Urbano "em tempo de crise esquece as teorias e observa a história".


Neste momento de crise com a nossa economia em quatro anos de recessão eu chamo a vossa atenção para observamos como o país era económica e socialmente no tempo do chamado câmbio de 10.

URBANO GASPAR
Consultor em Inteligência Económica e CO da empresa G&P BUSINESS INTELLIGENCE

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: