Lisboa – A nomeação de José Marcos Barrica, para dirigir a Academia Diplomática Venâncio de Moura (ADVM); está a ser objecto de apreciação/discussão em fóruns (redes sociais) afectos ao ministério das relações exteriores (MIREX) por se considerar que a mesma não preenche os requisitos exigidos pelo decreto presidencial 5/21.

Fonte: Club-k.net

De acordo com o debate – baseado no artigo 25 do referido decreto – os cargos de directores gerais e adjuntos da ADVM devem ser exercidos em comissão de serviço por pessoal da carreia diplomática. O cargo de Director Geral deve ser ocupado por um embaixador de carreira, enquanto que o de DG adjunto por um ministro conselheiro.


Apesar de ter sido objecto de numa nomeação politica para o cargo de embaixador plenipotenciário em Lisboa, por 10 anos, José Marcos Barrica não é quadro da carreira diplomática do MIEX, o que o torna distanciado dos requisitos exigidos pelo despacho presidencial.


Antigo ministro da Juventude e dos Desportos por 9 anos, José Marcos Barrica, de 59 anos, é professor universitário do ISCED onde se formou em Psicologia. Uma biografia do site da VOA apresenta-lhe como Doutorado em Psicologia Evolutiva e da Educação pela Universidade de Valência em Espanha, tendo como referência o antigo Presidente angolano José Eduardo dos Santos e Nelson Mandela.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: