Lisboa - O discurso do presidente cessante da UNITA, dr Isaias Samakuva, foi pobre, amargo, imperceptível, inadequado e improprio para consumo em tempo de congresso. Pelo vazio didático, mostrou ter um inaceitável conformismo transversal ao interesse maior do partido que é ser poder em 2022 sobretudo numa altura em que o partido se encontra sob fogo cerrado.

Fonte: Club-k.net

Ficou claríssimo, que o discurso foi mal encomendado e serviu apenas para inglês ver, pois, não cabe ao presidente cessante, impor a dialética rítmica dos ditames da agenda presidencial do líder que o substituirá, menos ainda enquadrar regras e o caminho que a nova administração deverá ou não seguir.


Sobretudo, quando o partido passou e passa por uma fase de grande sofrimento causado pelo pessoal que apoia o presidente cessante ora suspenso, por outro lado, denota-se que o presidente cessante não se conformou nem está preparado para enfrentar o necessário período de nojo. São tremendamente fortes os revezes internos e externos por que passou a liderança do presidente derrubado pelo tribunal constitucional.


Não é possível esquecer a participação de militantes que claramente pretendiam impor a maioria a sua vontade com a ajuda explicita dos seus, patrocinadores externos, que não se propunham somente destituir ACJ da presidência da UNITA, mas também pretendiam destruí-lo humana e politicamente para todo sempre.


Acredito que é constrangedor para o dr Isaias Samakuva, ter-se descontrolado ao expor todo seu empenho em derrotar desonestamente a pessoa que o serviu enquanto presidente como servo e amigo, também creio, o presidente cessante sabe que quem colocou ACJ, na liderança da UNITA foram os militantes negros, não foram os mulatos nem pessoas externas à UNITA que o colocaram na presidência do partido UNITA.


Por isso, o discurso proferido na abertura do congresso não colhe. No entanto, espero que o dr Isaias Samakuva, aprenda com os seus erros e seja mais coerente e efusivo no seu discurso de encerramento, assim espero e desejo de coração.


É entendível que o dr Isaias Samakuva, não queira ou não consiga engolir o sapo que representa para ele o engenheiro ACJ, isso ficou claro no seu discurso, por outro lado, no discurso o presidente cessante mostrou também falta de visão política e uma percepção político-ideológica falha, precária e inadequada para os tempos que correm. Foi um erro tremendo querer dar aulas de democracia ao futuro líder da UNITA, que não deseja de maneira nenhuma seguir os seus passos, é licito que o novo presidente da UNITA tenha o seu próprio modelo de administrar a máquina do partido com as suas digitais.


A angustia do dr Isaias Samakuva, foi de todo indisfarçável, foi negativa a ousadia demonstrada no discurso onde ousou defender o indefensável, ao pretender ironicamente fazer passar os dissidentes como bons meninos do coro de igreja, até mesmo como inofensivas vítimas de um processo injusto criado por ACJ.


Todos em Angola sabem o quão vitima ACJ, homem que sem nunca perder o equilíbrio foi violentamente atacado dia e noite pelos seus detratores do MPLA, nunca se viu em Angola, todos os canais de televisão pagos com os nossos dinheiros serem lançados para desconstruir o presidente da UNITA deposto, Disso Isaias Samakuva nem uma palavra citou no seu desconexo e nada invejável discurso.


As vítimas não são os que em coro ajudaram a criar a situação perversa que a UNITA vivencia hoje. De resto, não se pôde acusar ACJ da confusão, que visou atingir dois objetivos, o primeiro objetivo passava por correr definitivamente com ACJ o MULATO da presidência do partido, isso satisfaria os seus financiadores Fernando Miala do SINSE, Norberto Garcia do Gabinete de acção psicológica e o próprio presidente do MPLA João Lourenço, que tem medo terrível de concorrer de igual para igual com ACJ.


O segundo objetivo visava carregar nas costas Isaias Samakuva, como candidato da UNITA até as eleições em 2022, como era de total e incondicional agrado de João Lourenço. O preludio para os conspiradores, seria acusar ACJ de golpista, arruaceiro e de ser um perigo para a democracia, só que nós os apoiantes de ACJ e não militantes da UNITA, conhecemos todos os passos das secretas e dos insurretos por isso abordamos o golpe final preparado contra ACJ.
Isaias Samakuva e os insurrectos sabem bem, que os apoiantes da ACJ, não pretendemos de modo nenhum ficar militantes nem nos servir da UNITA, nós queremos votar contra o MPLA, é apenas isso que nos levara a votar na UNITA.


Todas as iniciativas para destruir ACJ, deram errado, porque as velhas táticas do SINSE e do gabinete de acção psicológica além de serem demasiados previsíveis eram todas do nosso total conhecimento. Dr Isaias Samakuva, ao contrário do que deu a entender no discurso sabe bem, que não é a presidência de ACJ, que suspendeu os seus aliados, eles foram suspensos na decorrência do mandato como presidente da UNITA. Por isso, não é legítimo acusar um simples candidato de haver expulso alguém da direção da UNITA.


Os militantes tão defendidos pelo presidente cessante, ainda que eventualmente existe-se vontade política para preparar o terreno um outro candidato concorrer com ACJ, deviam esses contar com um contra-ataque contundente da parte da candidatura de ACJ, não pensaram nisso os seus detratores? Serão eles jogadores de xadrez idênticos a João Lourenço, que só sabe jogar sozinho?


Esse grupo saiu vencido porque subestimaram o adversário e também por serem financiados pelo partido no poder há 46 anos. Ora, seria contraproducente permitir, que outra falange ocuparia facilmente o lugar que outrora pertencerá legitimamente a ACJ. Afinal, quem estaria por traz, e sobretudo interessado no enfraquecimento da UNITA? Seria de extrema ingenuidade acreditar que o grupo suspenso que guerreava ACJ, em consonância com o partido estado, visava salvar a UNITA das mãos dos mulatos e estranhos que apoiam ACJ!


Isaias Samakuva teve uma bela oportunidade de sair do recôndito esconderijo em que se refugiou e retirar-se fortalecido despedindo-se em apoteose como líder em fim de carreira.
Que fique bem claro, que os insurgentes ora suspensos, não são meninos de igreja inocentes nem anjos vigilantes do bem e para o bem. Corre nas redes sociais um vídeo da autoria de José Pedro Katchiungo, um dos indefectível de Isaias Samakuva, que nos bastidores agitava as aguas para que estas fossem favoráveis a navegação do MPLA e Isaias Samakuva.


Nesse vídeo, José Katcuingo afirma fortemente, que tudo fará para que a UNITA não seja dirigida por um (MULATO), referência carinhosa dirigida ao engenheiro Adalberto Costa Júnior.


Isso por si dó já mostra a indulgencia desse senhor que certamente possui uma inteligência de grilo. Por acaso o pessoal ligado ao presidente cessante não entende que Hierarquia é posto, e sem ela é anarquia. Os opositores de ACJ têm legitimidade de fazer o seu jogo, mas dentro das regras, e nunca aceitar financiamentos do SINSE e gabinete de acção psicológica

O discurso do presidente cessante foi todo em defesa dos líderes da confusão, que quase custou ao partido a continuidade ilegítima de Isaias Samakuva, na presidência do partido até as eleições de 2022, como era perfeita preferência demonstrada a todos os níveis pelo líder do partido que criou todo imbróglio.

Vejo que os militantes da UNITA suspensos queriam mesmo criar uma pigmentocracia!

Debalde, não colou, não cola e jamais colará.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: