Luanda - O Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Filipe Zau, destacou o nome de Amílcar Cabral, no meio dos grandes nacionalistas africanos. O líder que, em tempo de luta armada, considerou, de forma totalmente aberta e descomplexada, a Língua Portuguesa, como a maior herança do colonialismo.

Fonte: Club-k.net

Filipe Zau falava à margem de uma visita efectuada pelo Presidente de Cabo Verde, José Maria Neves, no Arquivo Nacional de Angola, em Luanda.

O Ministro realçou o manifesto do MAC, Movimento Anti-Colonial, em 1957, considerado por Amílcar “o prefácio da nossa luta, a linha geral da luta que travamos hoje vitoriosamente contra o colonialismo português”.
 
Filipe Zau acentuou o tempo da luta comum pela autonomização política dos nossos povos, onde o nome de Amílcar Cabral se associou ao de Agostinho Neto, Edmundo Rocha, Lúcio Lara, Carlos Pestana, Guilherme do Espírito Santo e Iko Carreira.

Parafraseando Amadou Bow, ex-director-geral da UNESCO, referiu-se a Cabral como o nacionalista guineense e cabo-verdiano a sentir o apelo mais vasto de cidadão africano, da solidariedade numa luta comum. “Amílcar Cabral se sentia tanto angolano, em Angola, como moçambicano, em Moçambique, como era guineense e cabo-verdiano, fruto da convivência com outros líderes, durante a sua passagem por Lisboa, no convívio na Casa dos Estudantes do Império, no Centro de Estudos Africanos e no Clube Marítimo Africano”.
 
Liderança de José Maria Neves

Ao dirigir-se a José Maria Neves, Filipe Zau, destacou-lhe a liderança de Cabo Verde, enquanto primeiro-ministro, o país triplicou o seu PIB, mais que dobrou o seu rendimento per capita, deixou a lista dos PMA, Países Menos Avançados, da ONU, e aprofundou a sua democracia, passando o país a situar-se entre as melhores democracias do mundo.

Durante os três mandatos, os governos de Neves melhoraram a vida dos cabo-verdianos, transformando e diversificando a sua economia, implementando uma política de crescimento verde, com o objectivo de assegurar que 50 por cento das fontes de energia de Cabo Verde provenham de fontes renováveis.

A boa governação liderada por José Maria Neves, de acordo os dados avançados pelo Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, permitiu a Cabo Verde alcançar os Objectivos do Desenvolvimento do Milénio das Nações Unidas, assinar um acordo de parceria especial com a União Europeia e reforçar a integração de Cabo Verde na Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

José Maria Neves, acompanhado da Primeira da Dama de Cabo Verde, Débora Katisa Carvalho, visitou, terça-feira, as instalações do Arquivo Nacional de Angola, dirigiu, na ocasião, aos estudantes da Universidade Agostinho Neto, uma Aula Magna que realçou as relações de cooperação e amizade entre Angola e Cabo Verde.

O Presidente de Cabo Verde pediu a construção de “novas pontes” que garantam um melhor relacionamento futuro entre os dois Estados.


LP



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: