Luanda - O descarrilar da greve dos taxistas que resultou na destruição da sede do MPLA, no Benfica, no passado dia 10 de Janeiro, poderá ter sido resultados da primeira intermediação que estava ocorrer entre as partes segundo conta um membro da plataforma dos taxistas de Angola.

Fonte: CK

De acordo com fonte da plataforma de taxistas, os contactos haviam iniciado de forma consensual tendo os mesmos decidido paralisar a anunciada greve quando na altura estabeleceram os primeiros contactos com o Secretario itinerante do MPLA, para as comunidades de Luanda, Bento dos Santos “Kangamba”.

Com a saída desta entidade partidária que terá de seguida viajado para Europa para consultas médicas, o assunto foi remetido para uma outra entidade de Estado cujo o não acolhimento das reivindicações dos taxistas resultou em contestação  em Luanda.

 

De igual modo dados da imprensa angolana dão conta que a situação, vista como uma manobra tendenciosa que está a ser aproveitada por “interesses obscuros”, de imediato movimentou o secretário itinerante do MPLA para as Comunidades, Bento Kangamba, que apelou à calma e compreensão, não só dos populares revoltados, mas também dos cidadãos em geral, aconselhando a respeitar as medidas decretadas em prol do bem vida.

 

O responsável é citado como tendo realçado a actual situação da pandemia como bastante grave pelo seu rápido alastramento, devendo-se, por isso mesmo, preservar, como condição imprescíndivel, a saúde de todos, incluindo os próprios taxistas e suas famílias.

 

O Jornal Grande Noticias adianta que o oficial na reforma  tem sido um elo muito importante na ligação com as populações e, pela sua abnegação, tem dado um grande contributo às comunidades e ao partido.

Entretanto, o anúncio do regresso à lotação a 100% dos transportes colectivos urbanos, interurbanos e interprovinciais, foi feito na sexta-feira pelo ministro de Estado e chefe da Casa Militar do Presidente da República, Francisco Furtado.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: