Lubango - O Sindicato Nacional de Professores (SINPROF) na província angolana da Huíla ameaça avançar com manifestações de rua para exigir o pagamento de retroactivos em função das nomeações iniciadas em Outubro de 2021 no âmbito do processo de actualização da carreira docente tendo em conta o tempo de serviço.

Fonte: VOA

Desde o início deste mês, pouco mais de 11 mil professores começam a auferir os seus salários já de acordo com o tempo de serviço, num universo de 105 mil previstos na primeira fase em todo o país do total de 181 mil a serem beneficiados até 2023.

Para o secretário provincial do SINPROF na Huíla, João Francisco, é importante que o Governo salvaguarde os retroactivos em função do início das nomeações.

“Todos nós fomos nomeados e há lá uma data. É em função da data de nomeação que surge aqui um elemento que nos leva à reclamação do retroactivo e que se o Ministério da Educação se rebelar em prestar atenção nessa questão e invocar outros elementos isso vai criar uma manifestação”, alertou.

Numa altura em que o executivo diz estar a combater a corrupção, o sindicalista referiu que a valorização dos professores, por via da melhoria das condições de trabalho e salarial, seria visto como um sinal positivo do Governo neste sentido.

“Se o Governo entender que vai pagar melhor a AGT para evitar a corrupção deve pagar melhor a justiça para evitar a corrupção não deve esquecer que onde se molda a mentalidade de um bom cidadão de um bom governante de um bom funcionário é na educação. Então significa que a maior atenção deve ser dada na educação, o melhor salário deve ser dado ao professor. Em todos países desenvolvidos no mundo houve investimentos extraordinários na educação”, defende o sindicalista.

A directora do Gabinete Provincial da Educação, Paula Joaquim, sem se referir sobre a reclamação dos retroactivos agora evocada pelo sindicato, fala com satisfação do andamento do processo ao nível local.

“Em Janeiro de 2022 serão assinados os contratos para professores que serão promovidos na segunda fase e no final do ano serão assinados os contratos dos professores que serão promovidos em 2023, assim terminará o processo de concurso de promoção de carreira”, promete.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: