Luanda – O Ministro das Obras Públicas e Ordenamento do Território, Manuel Tavares de Almeida, é identificado em meios competentes do regime como tendo ordenado o desalojamento de um apartamento que acolhe o escritório de uma das empresas do antigo Vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente.

Fonte: Club-k.net

O escritório de Manuel Vicente encontra-se localizado no segundo andar de um edifício da Ingombota, na baixa de Luanda, onde se situa a sede do Ministério das Obras Públicas e Ordenamento do Território (MINOPOT). O argumento invocado pelo ministro Manuel Tavares de Almeida, segundo apurou o Club-K, é de que se o edifício pertence ao ministério, então os apartamentos também pertencem ao órgão governamental que ele tutela. Assim sendo, o governante viu-se encorajado a recorrer a Direcção Nacional do Património do Estado do ministério das finanças para diligencias de revindicação dos apartamentos do segundo andar do edifício que são alheios ao MINOPOT. Paralelamente, recorreu a uma empresa de construção CASAIS ANGOLA, para  avaliar possíveis alterações no apartamento que acolhe o escritório de Manuel Vicente. A CASAIS é a empresa preferida do ministro do Tavares para fazer as obras nos gabinetes, salas de reuniões e auditórios deste ministério.

 

Ao tomar conhecimento que o seu escritório estava a ser invadido/arrombado sem previa comunicação, o antigo Vice-Presidente de Angola, acionou os seus advogados que se deslocaram ao gabinete do ministro Manuel Tavares de Almeida, exibindo o registro predial que comprovam que o referido apartamento é seu, e não do Ministério das Obras Públicas.

 

Embaraçado com a documentação que lhe foi apresentada, o ministro Manuel Tavares tentou ainda mostrar resistência, até ser desencorajado por altos dois funcionários do seu gabinete (Carlos Alberto Gregório dos Santos e Rui Guilhermino da Costa Narciso), que o convenceram a recuar, uma vez que estava a ordenar o arrombamento de uma propriedade privada que o mesmo não tinha a certeza se pertencia ou não ao Estado.

 

Para além do escritório de Manuel Vicente, o ministro tentou desalojar outros apartamentos neste mesmo edifício ligados a figuras publicas com Victor Lima (assessor presidencial), Carlos Feijó (Académico e Advogado renomado), e de Victor Aleixo, director da Revista “Figuras & Negócios”.

 

Amigo da alta confiança do Presidente João Lourenço, o ministro Manuel Tavares é um dos membros governo a quem varias entidades reclamam dos frequentes atritos que se envolve decorrente do problema de relações humanas que cultiva. A figura que ultimamente ele mais se revê, é um antigo amigo, José Ferreira Tavares, de cuja personalidade ambos tem traços em comum.

 

O Presidente João Lourenço perdoa-lhe com frequência. Num passado recente, o ministro Manuel Tavares exonerou a Comissão Executiva do Fundo de Fomento Habitacional a volta de uma polémica, mas logo o Presidente da República, ordenou-lhe o anulamento da exoneração fazendo reposição do anterior Despacho Conjunto nº1021/18, exarado entre o Ministério das Finanças e do Ordenamento do Território e Habitação.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: