Luanda - A Reserva Estratégica Alimentar (REA) angolana tem um 'stock' acima das 200 mil toneladas de produtos da cesta básica, entre açúcar, milho, arroz, frango e outros bens, quantidades que compreendem dois trimestres, anunciou hoje fonte oficial.

Fonte: Lusa

"Já esgotamos a capacidade de 'stockagem' dos entrepostos, nomeadamente de Luanda e Benguela, e já contamos com armazéns da Zona Económica Especial, porque temos um 'stock' acima das 200 mil toneladas", afirmou o coordenador do REA, Eduardo Machado, quando questionado pela Lusa.

Segundo o responsável, a REA conta atualmente com cerca de 70.000 toneladas de arroz, cerca de 88.000 toneladas de milho, cerca de 6.000 toneladas de soja, 3.700 toneladas de frango e cerca de 80.000 toneladas de açúcar.

A REA, cuja operacionalização a cargo do grupo privado Carrinho teve início em 21 de dezembro de 2021, é uma iniciativa do Governo angolano para influenciar a baixa de preços dos produtos alimentares essenciais.


O "Fomento da Produção Nacional e a Sustentabilidade da REA" estiveram em debate, em Luanda, durante a segunda edição do Café CIPRA (Centro de Imprensa da Presidência da República de Angola).

Estabilizar os preços e a garantia de fornecimento de bens da cesta básica a preços não especulativos no mercado interno, assegurar um 'stock' físico permanente de bens alimentares essenciais em caso de situações de emergência e mitigar os riscos e impactos da volatilidade nos mercados internacionais são alguns dos objetivos da REA.

Eduardo Machado, um dos oradores a segunda edição do Café CIPRA, fez saber que o REA prevê cadastrar, entre agosto e setembro próximo, cerca de 52.000 famílias e um número ainda não identificado de agricultores comerciais.

O cadastro, salientou o responsável, visa o fornecimento de 'kits' de apoio agrícola, que incluem fertilizantes, sementes, pesticidas e pulverizadores, "visando a melhoria do processo produtivo e aumento das culturas".


Negociar a compra futura, "em condições competitivas", de todo o excedente da produção familiar e comercial fomentada no âmbito do programa da REA constitui igualmente o fundamento do cadastro, como referiu o coordenador da reserva angolana.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: