Luanda - Três dos quatro operativos do Serviço de Investigação Criminal (SIC) que terão removido a empresária angolana, irmã do político do MPLA Salomão Xirimbimbi, alegadamente atropelada no dia 3 de Março de 2022 “fogem” do processo de reconstituição do acidente.

Fonte: Club-k.net

Operativos do SIC “fogem com o rabo à seringa”

Fonte que domina o dossier diz que até a data foram já realizadas duas sessões de reconstrução do acidente, mas dos quatro operativos do SIC apenas um tem estado a cooperar. “Os outros três não comparecem e nem sequer atentem as chamadas telefónicas”, refere a fonte.


A 17 de Abril foi realizada aquela que não se sabe se é ou não a última reconstituição do acidente, cujo resultado é igualmente ainda desconhecido.


Nas duas sessões, o motorista que terá atropelado Isabel Francisco João Dala “jura de pés juntos” que o acidente não foi mortal – pois a senhora estava viva e lembra-se de ter visto também todos os seus pertences, a pasta. Mas há um senão, pois segundo a fonte, o motorista alega ter sido impedido de prestar socorro a senhora pelos operativos do SIC que se fizeram presente na altura do acidente.


O operativo do SIC, um dos únicos quatro que corrobora com o referido processo, uma vez ter recebido a vítima dos seus colegas, interrogado porquê não recorreu aos serviços de saúde, para junto destes, se declarar ou não a morte de Isabel Francisco por um especialista, este terá dito que não era de sua responsabilidade.


Acto contínuo, fazendo fé na fonte, o motorista terá referido que conduzia a uma velocidade de 40 km a hora, pelo que o seu veículo nem sequer danificou diante do embate a senhora, excepto um dos retrovisores.
Contudo, este site não conseguiu ouvir a versão do SIC quer o advogado da família da malograda. Família que exige justiça de quem de direito pelos danos causados.


Note-se que, Isabel Francisco João Dala saiu de casa na manhã do dia 3 de Marco de 20222, mas não mais regressou tendo sido procurada ene vezes na morgue central (Maria Pia), por hospitais e morgues das referidas unidades hospitalares sem sucesso, para se saber volvidos poucos dias que foi enterrada pelo SIC no dia 9 de Março de 2022, com 15 cadáveres no cemitério da Camama sem o consentimento da família. Na pasta havia mais de seis contactos telefónicos de filhos e de familiares próximos de tia Bela como era carinhosamente tratada, para além do telefone, pelo que se presume que terá havido má-fé pelo facto de não se ter comunicado a família ou socorrer-se das redes sociais, bem como dos órgãos de comunicação social, como por exemplo, o programa “Fala Angola” da TV Zimbo.


Depois de várias diligências junto das autoridades, Isabel Francisco João Dala foi exumada, tendo merecido enterro condigo no cemitério do Benfica, dias depois de sepultada a revelia.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: