A meta deste consórcio de ONG’s, integrado pela Busca de Entendimento Comum, Plataforma Eleitoral, Universidade Católica de Angola, Development Workshop, Open Society, Centro Nacional de Aconselhamento e a Rede Eleitoral Angola, é acompanhar o trabalho nas assembleias de voto em 50 por cento.

Para esta empreitada o constituído Observatório Eleitoral tencionava contar com o concurso de quatro mil e setecentos e trinta observadores, mas as possibilidades logísticas só permitirão alcançar dois mil e seiscentos observadores, 473 dos quais serão de longa duração.

Para o efeito, foi lançado o convite aos cidadãos nacionais interessados em observar voluntariamente estas eleições, devendo inscrever-se através de uma ONG que trabalhará sob a orientação da Plataforma Eleitoral.

O objectivo, consideram os mentores do Observatório Eleitoral, e se tratando das primeiras eleições a terem observação doméstica, é uniformizar o processo de observação e também motivar as pessoas singulares a participarem.

As ONG’s deverão enviar a lista de voluntários até ao dia um de Agosto à Plataforma Eleitoral e esta por sua vez encaminhará uma lista única à CNE até ao dia 9 de Agosto.

Com vista a uniformizar os termos da declaração sobre a observação das organizações da sociedade civil, e considerando as distintas áreas de intervenção das ONG’s, foi decidida uma distribuição racional das mesmas por áreas de intervenção no mosaico sócio-político angolano.

Assim, os actos eleitorais serão da responsabilidade da Plataforma Eleitoral que juntamente como a Development Workshop responderão ainda pela educação cívica, enquanto que a prevenção e gestão de conflitos eleitorais ficará com a SFCG e UCAN.

As questões de media e informação eleitoral estarão a cargo da Open Society, AJPD, NCC e SFCG. A AJPD e o NCC terão ainda sob responsabilidade as questões de advocacia e jurídicas.

A decisão de constituição do observatório decorreu da análise da experiência da Plataforma Eleitoral e outras ONG’s que já estiveram engajadas em processos de observação eleitoral pela África Austral facto e que projectou uma reflexão sobre a necessidade de criar uma voz única das organizações da Sociedade civil durante a observação das eleições.

A base de informação para a produção de matérias e conteúdos durante a fase de observação e informação eleitoral será o estudo pesquisa feito pela UCAN sob o título «Percepções do povo angolano sobre as eleições».

Fonte: VOA



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: