Luanda - Por não ter havido jornalistas assassinados ou presos no ano de 2021, Angola subiu quatro pontos no Índice Mundial da Liberdade de Imprensa dos Repórteres Sem Fronteiras divulgado nesta terça-feira, 3. A Noruega (posição 1o) lidera a lista e a Korea do Norte sempre na cauda (posição 180). Angola ficou acima do Brasil, e a Guine Bissau melhor em relação a Angola.

Fonte: Club-k.net


GUINE BISSAU ESTÁ MELHOR QUE ANGOLA

Angola está na posição 99, e precisaria 7 pontos para chegar aos pés da Guine Bissau (posição 92) e 51 pontos para chegar aos pé de Cabo Verde (posição 36). Isto é, Cabo Verde teria que ficar estagnado durante 10 anos para Angola chegar aos seus pés, se continuar a subir anualmente 4 pontos.


O Brasil baixou de posição (um ponto) por ter sequestrado, torturado jornalistas (Romano dos Anjos). assassinou o jornalista (Givanildo Oliveira ), e houve ataques contra mulheres jornalistas. Como consequência ficou na posição 110. Ou seja Angola por não ter assassinado ou prendido nenhum jornalista ficou a cima do Brasil.


Sobre a situação de Angola, o relatório diz o seguinte "Após 40 anos do clã Dos Santos no governo, a chegada de João Lourenço à presidência, em setembro de 2017, não marcou um ponto de virada para a liberdade de imprensa. A censura e o controle da informação ainda pesam muito sobre os jornalistas angolanos."


O "Repórteres Sem Fronteiras" (RSF), relata que, desde 2019, a Namíbia (posição 18) liderou consistentemente a lista de países africanos com maior liberdade de media, ocupando o primeiro lugar no continente e o 24º globalmente em 2021, no seu ranking mundial Índice de Liberdade de Imprensa.


Os critérios de avaliação são baseados em cinco pontos: Cenário midiático, Contexto político, Contexto económico, Contexto sociocultural, Segurança.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: