O anúncio foi feito hoje, quinta-feira, pela governadora Francisca do Espírito Santo, durante a reunião para a apresentação dos projectos de habitação social e a implementação do Programa de Melhoria de Oferta dos Serviços Básicos à População.

O projecto, que deverá ter início ainda este ano, vai ser erguido na comuna do Camama e será destinado, numa primeira fase, para jovens que terminem a sua formação e estejam integrados em empresas da função pública.

De acordo com a governadora, esta iniciativa surge em resposta a orientação do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, no sentido de se criarem as condições para a juventude na aquisição de residências a um preço acessível.

Francisca do Espírito Santo é de opinião que os projectos realizados em Luanda nos últimos seis meses criaram um sentimento de esperança de que ainda é possível mudar as condições de vida para algo melhor.

O plano apresentado pelo director do Instituto de Planificação e Gestão Urbana de Luanda (IPGUL), Hélder José, prevê a construção de edifícios com quatro andares, numa área onde estarão inseridos todos os serviços básicos indispensáveis, como saúde, educação e outros.

O encontro a que presidiu a governadora de Luanda serviu também para fazer uma avaliação do que foi possível realizar-se nos últimos seis meses e a apresentação de novas perspectivas de trabalho para melhorar a imagem urbanística da capital.

A possibilidade de enquadrar as pessoas residentes nos bairros do Catambor e Prenda em projectos de realojamentos em condições dignas, assim como a necessidade de passar a titularidade das residências as cerca de oito mil habitantes residentes no Zango, Projecto Morar (Viana) e Sapú (Kilamba Kiaxi), foi outro assunto em destaque na reunião.

Os participantes no encontro analisaram igualmente o projecto de reabilitação da zona verde do Alvalade ( município da Maianga) assim como o grau de cumprimento dos programas de gestão municipal.

Participaram no encontro, administradores municipais, directores provinciais e assessores do Governo da Província de Luanda.

Fonte Angop



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: