Luanda - A AngoBarometro, empresa versada em sondagens de opinião pública, análises e estudos de natureza sócio- económica e política, reagiu hoje na pessoa de um de seus directores, à pretensão do executivo angolano, em querer restringir e “apertar” o cerco a este importante segmento em matérias de estudos, mormente eleitorais e partidários.

Fonte: Club-k.net

A lei em discussão pela Assembleia Nacional de Angola e que será submetida à votação final na próxima quinta-feira, exige o pagamento de 15.000.000 Kwanzas(aprox. 37.000 USD), para que um operador possa ser licenciado com esta actividade, facto que tem causado acalorados debates e sentimentos de repúdio na sociedade intelectual e sociedade angolana no geral.


Nesta conformidade, chamado a comentar sobre a matéria, Lukonde Luansi, um dos Directores e fundadores da AngoBarómetro, criada e sediada na Alemanha, considera a medida de “discriminatória, na medida em que ela exige um valor exorbitante superior por exemplo ao salário anual de um deputado”. O pesquisador, e politólogo, doutorado em Ciências Políticas e Sociais pela Universidade de Aachen/Alemanha, considera ser “censura inaceitável”, o facto de tanto o questionário como o Relatório da Sondagem, tenham que ser previamente depositados no Ministério de tutela, para aprovação, homologação e posterior autorização para publicação.


Aquele dirigente de uma das mais visíveis empresas angolanas na matéria, vai mais longe chamando de “censura”, o que se pretende aprovar e justifica: “Imaginemos que nós apresentássemos os nossos resultados e esses resultados não forem, digamos assim, favoráveis ao partido maioritário, o que é que aconteceria? Esta é a grande questão. Vão dizer, okay, recebemos o questionário, os resultados, mas não têm direito de publicar. Esta é uma forma de fazer calar os institutos de sondagens”.


De lembrar que a AngoBarómetro, criada em 15 de Janeiro de 2021 na Alemanha, é sucessora da AngoSondagens, que há cerca de 18 anos, apareceu como “pioneira” no mercado nacional angolano em matérias de pesquisa, sondagens e estudos de opinião.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: