Luanda - Que encontramos gente bonita no MPLA, sou o primeiro a reconhecê-lo. Mas o quê? Basta entrar no MPLA para encontrar uma mulher bonita, para um homem, e um homem bonito, para uma mulher? Se, no entanto, fosse mencionado o nome de um membro feio do MPLA, não seria ele um verdadeiro membro deste partido de gente bonita? O problema é que a cultura criada pelo MPLA e que há muito cultiva é hoje acompanhada de um oportunismo que o penaliza. Esse partido queria uma sociedade sem classes, mas acabou criando uma sociedade sem educação, então sim, sem “classe”. É a consequência disto que explica porque razão o MPLA ainda permite que certas pessoas subam ao pódio da sua campanha eleitoral para falarem perante multidões excitadas enquanto despejam enormidades indescritíveis. E se entre os que decidiram juntar-se à sua luta contra o colonialismo, para escapar à sua condição de escravo e lumpemproletário, alguns eram gigolôs no Bairro Operário, como se poderia razoavelmente esperar na Independência o advento de uma sociedade baseada em valores de grandeza? O seu compromisso com a Revolução não levou apenas a inaugurar uma nova vida para eles e não apenas substituiu o Colono? Muitos entraram no Partido não por amor ao povo, mas pelo desejo de substituir o Colono para gozar de privilégios a que não tinham acesso e às vezes para fazer pior do que ele. O povo era apenas uma família adoptiva temporária, da mesma forma que os burgueses franceses usaram o povo francês que fez a Revolução para eles para depois o escravizar. Assim, vemos a tara original que a nossa Revolução também carrega. Mas os burgueses franceses eram educados e tinham capital que desenvolveu a França de hoje. Em Angola, o colonizador não deixou educação nem capital, então o país foi jogado nas mãos de oportunistas que fizeram dele o que se tornou. É também isso que explica porque o MPLA assassinou alguns dos seus membros que tinham outra visão do país, que considero filosoficamente mais benéfica. O país caiu assim nas mãos dos Assimilados, que o entregaram nas mãos dos portugueses, e dos oportunistas do lumpemproletariado, que mudaram abruptamente de estatuto sem os códigos ou trabalho necessários. Ao fazê-lo, o MPLA deu rédea solta ao neocolonialismo, assumido pelos seus Assimilados a todos os níveis, e ao espírito de leveza tropical que se pode resumir no tríptico bebida-festa-sexo, assumido por fanáticos como o sinistro propagandista que foi trazido ao pódio há alguns dias.

Fonte: Club-k.net

É que no MPLA ainda não entenderam que o novo Presidente se posicionou de forma diferente, que quer impor uma nova dinâmica e que anunciou o fim da festa. Acho que não entenderam que desta vez é mesmo o fim da brincadeira. Aliás, a gestão das empresas do país está melhor hoje? Estão melhor geridas desde a saída do pai e da filha acusados de serem a causa de toda a miséria em Angola? Os contratos que assinam em nome dessas empresas são respeitados como deveriam? Este é um tópico que será abordado num artigo específico, vamos voltar ao nosso tópico de hoje. Como hoje não se trata apenas de salvar o MPLA a todo o custo, toda a baixeza que acumulou durante muito tempo já não pode ser ocultada. Os quadros mais competentes envelheceram ou abandonaram o Partido, por desgosto, e os que permanecem não são valorizados ou não como deveriam ser, por estupidez e um espírito medíocre de inveja e golpes baixos que impedem o reconhecimento do talento e génio de outros, restam no Partido apenas lacaios como aquele que foi chamado para falar no palco. Eles serão, portanto, solicitados a falar com a obediência de um cadáver para cobrir as contradições com prestidigitação. E como eles geralmente não são educados nem cultos e não sabem usar a lógica, esforçar-se-ão para conciliar o irreconciliável e juntar com força ideias que se repelem para esconder as soldaduras estridentes com palavras ociosas.


Só que como ainda vivem no passado, também desconhecem que hoje até o angolano mais modesto tudo vê e tudo entende. Mas o MPLA esqueceu que a libertação do homem e o advento de uma sociedade sem classes eram inseparáveis e deveriam ter sido as suas reivindicações incondicionais. Esqueceu-se de libertar o homem educando-o e até permitiu que se criasse uma sociedade em que uma cultura se referisse às conquistas femininas como "quatorzinhas", uma cultura que seria considerada criminosa em qualquer sociedade séria. É este esquecimento que faz com que o MPLA se encontre hoje numa ronda infernal dos meios de adquirir os meios para convencer, porque o tempo de rir está a acabar e as pessoas cada vez mais conscientes clamam por outra sociedade. Apesar de tentar sempre seduzir as pessoas pelo estômago e pelos lazeres, o MPLA ainda não compreendeu que os seus maiores inimigos são a sua longevidade, as suas realizações perfectíveis e que o seu único aliado seria mostrar que realmente mudou intrinsecamente. E, no entanto, alguns dos seus lúcidos Assimilados lhe dão ideias interessantes nos jornais onde escrevem que poderia usar na sua campanha para defender a sua causa, mas prefere fazer campanha seduzindo aqueles que querem encontrar mulheres ou homens. Então, qual é a diferença entre o MPLA e igrejas como a Universal, que pedem aos seus seguidores que dêem tudo que têm para entrar no céu?


E como ainda estamos livres, não nos juntaremos aos cães de guarda. Ainda apoio a boa vontade do Presidente João Lourenço. Mas não depende de nós que o MPLA mude, depende apenas dos seus dirigentes e não é nossa culpa que já não seja um partido revolucionário. Mas cada um de nós é responsável pelo futuro do nosso país, então depende de nós se ele cai mais ou se levanta. A nossa escolha deve, portanto, ser feita de forma consciente e resoluta. Enquanto o espírito do MPLA que governa o nosso país estiver no comando e se recusar a participar na dinâmica do seu presidente que se deu a missão de o mudar, a sua tara original e a maldição sempre pesarão sobre o nosso país.


Ricardo Vita é Pan-africanista, afro-optimista radicado em Paris, França. É colunista do diário Público (Portugal), colunista lifestyle da revista Forbes Afrique, cofundador do instituto République et Diversité que promove a diversidade em França e é headhunter.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: