Luanda - O crédito malparado em Angola subiu 13,6% no ano passado, aumentando de 18,41% para 20,26% em dezembro do ano passado, de acordo com o relatório de 2021 do Banco Nacional de Angola.

Fonte: Lusa

"Relativamente ao crédito vencido malparado no final do ano de 2021, este registou um aumento de 115,52 mil milhões de kwanzas [269,7 milhões de euros], comparativamente ao período homólogo (13,64%); com efeito, o rácio de incumprimento do setor bancário passou de 18,41% em dezembro de 2020 para 20,26% em dezembro de 2021", lê-se no Relatório e Contas de 2021, hoje divulgado em Luanda.

 

De acordo com o documento, esta subida de 13,6% no crédito que os bancos não conseguem cobrar há mais de 90 dias representa um novo aumento, já que de 2019 para 2020, o rácio melhorou, de 32,46% para 18,41%.

 

O relatório sobre as atividades do regulador financeiro angolano no ano passado mostra também que o setor bancário quase triplicou os lucros no ano passado, com uma subida de quase 180%.

 

"No final de 2021, o setor bancário registou resultados positivos num montante de 394,90 mil milhões de kwanzas [cerca de 924 milhões de euros], um aumento de cerca de 179,39% face ao período homólogo, devido fundamentalmente ao aumento de proveitos com títulos e valores mobiliários", refere.

 

Onde o panorama não é tão positivo para as 25 instituições financeiras a operar no país, é nos sistemas de controlo interno e nos requisitos sobre as boas práticas na área da governação corporativa, que o Banco Nacional de Angola diz serem ainda insuficientes.


"Observam-se insuficiências relativas às políticas e processos de identificação e avaliação de transações com partes relacionadas e de prevenção de conflitos de interesses, fragilidade dos processos de proteção para inibição de acessos indevidos aos sistemas de informação, bem como na implementação de processos de recuperação de desastres em caso de incidente", lê-se no relatório.


No documento refere-se, no entanto, que, "de forma geral, o setor bancário continua a apresentar uma tendência crescente, em termos de formalização dos requisitos de Governação Corporativa, o que evidencia o incremento da cultura de boa governação nas instituições e a mitigação dos riscos inerentes".

Sobre os sistemas de controlo interno, apesar do "crescimento assinalável do nível de cumprimento dos requisitos previstos na regulamentação em vigor, comparativamente ao período homólogo, existem bancos em que persistem insuficiências de recursos humanos capacitados, para fazer face às atribuições regulamentares das funções de controlo, designadamente, gestão de risco, compliance e auditoria interna".

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: