Lisboa – O “desk” do regime do MPLA que faz acompanhamento dos passos do Presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior  mostrou-se preocupado ao tomar conhecimento que o líder do maior partido da oposição viajou a semana passada para  o Estado de Israel com uma equipa na qual se inclui um coronel reformado das FAA, perito em informatica, e que no passado pertenceu as extintas FALA.

Fonte: Club-k.net

REGIME TEME QUE UNITA FAÇA  CONTAGEM PARALELA NAS ELEIÇÕES 

De acordo com o apurado, a delegação esteve alguns dias em Israel, depois foi para a Bruxelas, e por último na Hungria. Num relatório de imprensa produzido, o regime apresenta o coronel como “perito em intercepção” questionando o “motivo” e a “razão” que levam o mesmo a viajar para Israel. O relatório do regime trás em si as respostas suspeitando que o oficial foi levado a Israel para uma possível formação que provavelmente lhe habilitará a monitorizar às eleições de Agosto, do lado da UNITA.

 

O regime desconfia  que a UNITA esteja a preparar-se para montar, em Luanda,  um centro de acompanhamento para contagem paralela  eleitoral com ajuda de empresas israelitas, citando a RGW Solutions, que na  versão da fonte,  é detida por antigos elementos da Mossad, a poderosa secreta deste país. 

 

O relatório de imprensa do regime insinua que a UNITA, deseja  entrar nas suas comunicações, advertindo que “interceptar comunicações é pelouro dos órgãos de defesa e segurança e não dos partidos nem de grupos paralelos”.

 

Não obstante a agenda atribuída a UNITA, as autoridades angolanas contam  com um técnico de  informática, Rogerio Saraiva Ferreira da Casa Militar que nas eleições passadas controlava a parte da informática do Centro de escrutínio da CNE, cumprindo orientações do general Manuel Vieira Dias “Kopelipa”. Rogerio Ferreira é cotado no interior do regime como o oficial responsável pelos resultados eleitorais que a CNE atribuiu ao MPLA, nas eleições em Angola. 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: