Em entrevista à Angop e à RNA, por ocasião do 17º aniversário da constituição das FAA, Francisco Furtado explicou que “em Cabinda ocorrem crimes isolados, praticados por elementos provenientes dos Estados fronteiriços com a província, mormente dos Congos, Democrático e Brazzaville”.

Afirmou que a província regista um clima de acalmia e pacificação, amiúde perturbado por criminosos que realizam “actos, em grupo ou isolados, causando alguns sobressaltos”.

Revelou, entretanto, que o quadro inverteu-se já, depois de medidas adoptadas, no terreno, pelas forças da ordem, fundamentalmente destinadas a garantir maior estabilidade e controlo dos pontos de passagem ao longo da fronteira.
O Governo angolano estabeleceu um Memorando de Entendimento com o Fórum Cabindês para o Diálogo (FCD), em 2 de Agosto de 2006, destinado à regulação pacífica do conflito nesta parcela do território nacional.

Grosso modo, o dispositivo prevê a atribuição de estatuto especial para a região, a integração, a todos os níveis, nas estruturas do Estado de elementos do FCD, além da transformação do Fórum em partido político nacional.
Pela data comemorativa, o oficial-general exortou ainda os efectivos a prestarem o seu contributo nas tarefas acometidas, visando a defesa da independência e soberania nacionais.

O acto central, alusivo ao 17º aniversário da constituição das FAA, realiza-se hoje na província do Huambo, sob orientação do ministro da Defesa Nacional, Kundi Paihama.

Fonte: JA



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: