Lisboa – Segundo apurou o Club-K, durante o período da pandemia do COVID-19, o Ministro da Energia e Água, João Baptista Borges, “presenteou”, o Presidente da República, mandando instalar uma rede própria de energia (proveniente da barragem de Lauca) para alimentar a fazenda de João Lourenço, localizada, Bairro Camama, Comuna do Dala Cachito, no município da Quibala, província do Cuanza-Sul.

Fonte: Club-k.net

JL FEZ VÁRIOS  PEDIDOS ANTES DE SER PR MAS ERA  IGNORADO 

Durante muitos anos, a fazenda “Mato Grosso”, mas tratada pelos locais por “Fazenda Camana”, era alimentada por um gerador industrial, devido a falta de energia elétrica na zona, o que provocava muitas despesas a João Lourenço, consubstanciada na compra constante de combustível , na Quibala.

 

João Lourenço não entendia como aquela área ficava sem energia elétrica apesar de por lá passar um posto de alta tensão que vai para a vizinha Província do Kwanza-Sul, saindo da barragem de Cambambe. Por varias vezes, antigo SG do MPLA, da era de Eduardo dos Santos, escrevia ao ministério da energia e água para solucionarem o problema de eletricidade naquela zona, mas os seus pedidos eram simplesmente ignorados.

 

Em finais de 2019, precisamente numa altura em que uma empresa Plurienergia ligada ao filho do ministro Borges estava a ser frequentemente citada em actos de corrupção, o governante mandou implantar uma Subestação Móvel de 220/30 kV – 10 Mva, no município da Quibala, com potência para atender as necessidades de consumo de energia deste município da província do Cuanza Sul. De seguida, o ministro João Baptista Borges, ordenou a extensão da rede eléctrica a fazenda agrícola de João Lourenço, que culminou com a construção de linhas de média tensão com cerca de 75 Km de extensão, visando o desenvolvimento da propriedade agrícola do Chefe de Estado.

 

Em Setembro de 2020, o ministério fez notar a familia Lourenço, por via de uma nota tornada pública, anunciando que “os trabalhos foram executados em seis meses, e a chegada da electricidade a esta localidade põe assim fim a um longo período de carência, suprimida parcialmente por grupos e meios de geração alternativos, particularmente na iluminação das residências”.

 

“Agora, quer a população quer a classe empresarial local, maioritariamente dedicada a agro-pecuária, deixarão de despender parte considerável dos seus rendimentos na compra de combustíveis e nos avultados custos com a manutenção de geradores”, lê-se na nota de então.

 

Não há com conhecimento de que o presenteado, tenha agradecido publicamente ao ministro por ter resolvido o problema da sua fazenda. Entretanto, durante o seu discurso proferido esta semana na cidade do Sumbe, o Presidente João Lourenço revelou a construção de uma nova estrada que vai passar pela Comuna do Dala Cachito, sem citar que se tratava da localidade onde se encontra a sua fazenda “Mato Grosso”.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: