Lisboa – O modelo de acção ao estilo da era Manuel Rabelais esta  a voltar a ser implementado nos órgãos de comunicação social afectos ao Governo  como forma de sabotar a linha de acção identificada no discurso da nova ministra “em servir o estado”.


Fonte: Club-k.net

Joaquim Gonçalves partidáriza sinal da emissora provincial

A infracção foi verificada na província do Namibe, quando na  manha de sábado ultimo, um grupo de  jornalista da RNA - Namibe interrompeu a emissão normal da emissora provincial  para  transmitir,  em directo, das 8 as 11H00, uma palestra partidária  que estava a ser proferida  a partir da sala de Conferencias do Comitê Provincial do  MPLA naquela província.


O trabalho de “partidarização” do sinal da Radio,  esteve a cargo do Jornalista Elias Guito, sob liderança do Director da Radio Namibe,  Joaquim Gonçalves, ambos  próximos a Manuel Rabelais. Terão sido persuadidos por  Fernando da Paixão, o  Secretário para Informação do MPLA naquela província.


A palestra  da actividade partidária  foi conduzida por Rui Falcão do Bureau Político do MPLA  que   falou  de transparência e  corrupção em Angola.


Abuso de poder


De acordo com a conclusão de um  analista, este alto dirigente do partido no poder terá pecado ao falar de transparência enquanto que a Radio provincial interrompia as suas emissões para servir uma  actividade de partido político.  “As Rádios publicas servem o país e não os partidos ”, sintetizou.


ImageInstado sobre o tratamento dado aos restantes partidos, o analista respondeu que:  “A oposição não tem espaço na Radio.” Diz a fonte exemplificando que “No passado dia 13 de Março aniversário da UNITA em acto realizado no Municipio do Tombwa nenhum jornalista da Radio apareceu apesar das devidas comunicações aos orgãos  publicos de comunicação social.”


“Portanto repito, não passou no programa mas sim foi cobertura em directo apartir da sede do MPLA. De facto foi um  abuso de poder e de imprensa.”, concluiu.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: