Luanda - Os ambientes marinhos frágeis em redor de Angola enfrentam uma grande ameaça como resultado de uma recente decisão governamental de permitir que algumas companhias petrolíferas despejassem toneladas de resíduos de petróleo perigosos no oceano.

Fonte: Club-k.net


Uma moratória recentemente solicitada e obtida por uma das empresas Cabinda Gulf Oil Company Limited (CABGOC) foi recentemente emitida pelo Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás (MIREMPET) para permitir que a empresa e outras se livrassem dos resíduos, pelo menos até 2023.

 

Isto significa que as aparas de perfuração contaminadas com petróleo de várias plataformas petrolíferas offshore podem agora ser legalmente descarregadas directamente no oceano, representando uma grande ameaça para o ambiente.

 

Os ambientalistas acreditam que esta nova medida afasta os bons esforços do governo da sua política de descargas zero:

 

Normalmente, a lei proíbe tais actividades e obriga ao tratamento e reciclagem de resíduos petrolíferos, mas esta nova moratória permitirá às companhias petrolíferas contornar esta legislação.

 

O despejo de resíduos petrolíferos no oceano é proibido em muitas partes do mundo devido ao seu considerável impacto adverso na vida marinha e nos ecossistemas locais.

Isto está a criar um precedente perigoso e poderá influenciar outras companhias petrolíferas em Angola a solicitarem autorizações semelhantes para despejar resíduos no oceano.

Significativamente, as áreas cobertas pela moratória estão localizadas na província de Cabinda, no norte do país.

 

A autorização recentemente obtida pelo CABGOC do MIREMPET para descarregar no oceano resíduos contaminados por petróleo (com um nível máximo de retenção de resíduos de perfuração de 5%) até ao final de Julho de 2023 .

Os resíduos devem ser despejados em águas relativamente pouco profundas, a uma curta distância da costa.

 

Especificamente, esta autorização diz respeito: Bloco 0 - Projectos de campos marginais como Lifua e Bloco 14 - Tombua Landana (TL) projectos demarcados. 


A CABGOC é o operador dos blocos 0 e 14, que estão divididos com outras companhias petrolíferas nacionais e internacionais, como se segue:

 

Uma estimativa conservadora do impacto potencial desta decisão é que ela resultará na descarga de 12.000 toneladas de desperdícios de perfuração e 6 milhões de litros de petróleo por ano no oceano.

 

Segundo as normas normais, na sequência do "Decreto de Descarga Zero" ( Decreto Executivo 97/14, de 8 de Abril, citado acima), os resíduos perigosos seriam transferidos em terra para tratamento e todo o petróleo seria recuperado e reutilizado. 


 

O processo de perfuração offshore produz duas formas principais de resíduos: os resíduos de fluidos de perfuração e as estacas de perfuração.


As estacas de perfuração são pequenos fragmentos de rocha que são trazidos para a superfície pelo fluido de perfuração (ou lama de perfuração).

 

Contêm a mesma composição química que a formação, juntamente com os fluidos de perfuração que aderem à sua superfície. Nas operações de perfuração offshore, as estacas são frequentemente reutilizadas, rejeitadas, libertadas para o fundo marinho ou trazidas para terra para posterior tratamento e eliminação. 


 

As estacas de perfuração mal eliminadas podem representar vários riscos ambientais e socioeconómicos correspondentes, uma vez que podem conter vários tipos de poluentes, incluindo hidrocarbonetos, aditivos químicos, sais, bem como metais pesados e radionuclídeos.

 

Vamos dar um passo atrás. A fim de reduzir o impacto ambiental da exploração petrolífera e proteger o ecossistema da descarga de fragmentos de perfuração de plataformas offshore, o Governo introduziu uma política denominada "Descarga Zero" em 2014.

 

Apesar desta nova prática ambiental, em 2019 o Ministério dos P deu autorização a vários operadores para descarregarem os seus cortes de perfuração contaminados apenas no caso de actividades de exploração em áreas em desenvolvimento e em águas ultra-profundas ou no caso de novas concessões. Uma luz verde que alargou as malhas da lei.

 

Contudo, em Maio - como mostra o documento por nós publicado - a Chevron recebeu autorização para descarregar resíduos contaminados (com uma taxa máxima de retenção de aparas de perfuração de 5%) na água do mar a uma curta distância da costa até 2023. A Total e a Esso já fizeram o pedido em fila de espera.

 

"O que é impressionante é que isto acontece em águas pouco profundas, onde o efeito de toxicidade é maior porque a concentração de veneno é maior", explica um operador ocidental no local. O técnico diz que estas companhias petrolíferas, que operam a nível mundial, na Europa e nos Estados Unidos, cumprem leis rigorosas de eliminação de resíduos, ajudando assim a proteger os ecossistemas marinhos.

Nos países ocidentais, os processos de eliminação e limpeza de fluidos e detritos gerados pela perfuração dos fundos marinhos são cuidadosamente seguidos: "É o famoso padrão duplo com que alguns operam em zonas mais pobres do mundo".

 

Mas porque deveria Angola aceitar um tal pedido? Porque o poder de certas multinacionais suplanta o poder de governos mais fracos, enfraquecidos pela corrupção e guerras civis, mais vulneráveis à chantagem.

 

Fontes temem que a descarga de resíduos perigosos de petróleo nos oceanos seja um acto que irá rodear as comunidades em termos de impacto ambiental adverso.

Dizem que a descarga destes resíduos vai afectar todo o oceano perto das costas e, de uma forma ou de outra, as comunidades em Buco zau, Cacongo e as actividades urbanas na cidade de Cabinda.

 

"Como geólogo, sei pela ciência que esta recente decisão põe em risco o futuro do nosso ambiente, tanto em Cabinda, a linha costeira que se estende para o sul. Este risco surge na sequência de um movimento do governo para permitir que o investidor despeje os seus resíduos . Creio que isto não só não vai afectar o sistema ecológico no mar e fora da costa, mas também para o importante rio chamado rio Chiloango, que é muito importante não só para o país mas para grande parte do ecossistema da África Ocidental. " disse a fonte

 

O geólogo acrescentou que isto enviará uma mensagem errada não só sobre a má protecção do ambiente, mas também sobre o futuro do ambiente.

 

O engenheiro químico Ariel Hilário alerta que a descarga de resíduos petrolíferos representa ameaça as diferentes espécies que habitam nos mares do país. “É sabido que o petróleo é um hidrocarbonetos, e a descarga de resíduos do petróleo no mar causa a morte dos peixes, aves marinhas e tantos outros seres aquáticos”.

A libertação do lixo da produção petrolífera afeta também os solos e os rios, explica o químico angolano. “Até água que consumimos pode ser afetada. Por exemplo, no Soyo, a água potavel cheira a petróleo” .

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: