Abuja - A Capital Federal da Nigéria, Abuja, acolhe no próximo dia 13 de Outubro, por Videoconferência, a 5ª Sessão Ordinária da Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da Comissão do Golfo da Guiné com um olhar mais profundo sobre a sua importância Geoestratégico em África.

Fonte: MIREX

Para dar corpo à Cimeira que vai dedicar particular atenção à estabilidade política e económica do Golfo da Guiné, peritos dos países membros que integram a Comissão, iniciam nesta Quarta-feira, 05 e 06/10, as reuniões preparatórias de especialidades.

Na agenda está a discussão do Relatório da 11ª Sessão Ordinária do Conselho de Ministros realizado em Abuja a 20 de Novembro de 2019 e a reavaliação do grau de cumprimento das actividades planificadas.

A Comissão de Peritos vai actualizar o Plano de Acção para o período 2022/23, a situação das contribuições dos Estados Membros que estão com um pendente financeiro avaliado em mais de Usd 25 Milhões, propostas de orçamento e o fim de mandato do actual Comité Executivo da Comissão do Golfo da Guiné e a eleição de um novo Comité Executivo.


No dia 07/10, Sexta-feira, começa a reunião do Conselho de Ministros da Comissão do Golfo da Guiné, para ao seu nível, reavaliar os relatórios da Comissão de Peritos a submeter à Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo.

O Ministro das Relações Exteriores, Téte António, é esperado nesta Quinta-feira, 06/10, em Abuja, Nigéria, para participar da reunião do Conselho de Ministros da CGG. Integra a delegação do ministro Téte António, a Secretária de Estado das Relações Exteriores, Embaixadora Esmeralda Mendonça, o Director da Direcção África, Médio Oriente e Organizações Regionais, o Embaixador Miguel César Bembe, o Embaixador de Angola na Nigéria, Eustáquio Januário Quibato e o Ministro-Conselheiro António do Nascimento.


Pela Comissão do Golfo da Guiné, já está em Abuja o Secretário Executivo e seu adjunto, Florentina Ukonga e Afonso Evaristo Eduardo.


GOLFO DA GUINÉ


É uma Zona Geopolítica e Geoestratégica de paz e cooperação no Atlântico Sul, oferecendo segurança marítima colectiva na bacia meridional atlântica.


Foi fundada a 03 de Julho de 2001 em Libreville, Gabão e tem como papel a concertação política estratégica de cooperação para o desenvolvimento, prevenção, gestão e resolução de conflitos regionais.


Os seus membros são as Repúblicas de Angola, Gabão, Camarões, Congo Brazzaville, Congo Democrático, Guiné Equatorial, Gana, Nigéria e São Tomé e Príncipe.

 

NOTAS: REGIÃO DE RECURSOS


A Bacia Meridional do Atlântico é um palco de envolvimento de duas organizações que congregam entre a cooperação estratégica, a segurança marítima e o desenvolvimento sustentado, designadamente a CGG e a ZOPACAS.

A zona é circunscrita por 18 países, sendo 13 costeiros e 5 distantes da área marítima com abundantes recursos marinhos e depósitos de hidrocarbonetos.
Tem mais de 6.236 Km de Linha Costeira onde se concentram 70% da produção africana de petróleo na Costa Oeste. As suas reservas de petróleo estão calculadas em 50,8 Bilhões de Barris e a produção estimada em 5,4 milhões de Barris por Dia.

Entre os seus membros tem Angola, Guiné Equatorial e a Nigéria como os seus principais produtores.


Serviços de Imprensa da Embaixada de Angola na República Federal da Nigéria, Níger e Benin, Abuja, 04 de Outubro de 2022.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: