Luanda - O Banco de Comércio e Indústria (BCI) aumentou o seu capital na ordem dos 15 mil milhões de kwanzas, no quadro do Plano de reestruturação enviado a 31 de Dezembro de 2022, ao Banco Nacional de Angola, indica uma nota da instituição.


Fonte: Angop

Segundo o documento, enviado à ANGOP, esta quinta-feira, os accionistas do BCI cumpriram, no prazo imposto pela entidade reguladora macro prudencial, a exigência de aumento do seu capital, com a apresentação do Plano de Reestruturação.

“No Plano enviado ao Banco Nacional de Angola, previa-se a realização do aumento de capital na ordem dos 15 mil de kwanzas, feitas antes do último dia do ano de 2022”, lê-se no texto daquele entidade bancária privada.

A actual gestão do BCI, teve, efectivamente, o seu início em Junho e encontrou os rácios na ordem dos 16 mil milhões negativos reportados no balancete trimestral.

Entretanto, no último trimestre de 2022, a situação inverteu-se para mil milhões positivos, antes da realização da auditoria, sublinha o comunicado do BCI.

A nota informa, por outro lado, que actualmente o investimento em necessidades de CAPEX (investimento em bens de capitais) já ronda em kz 5 mil milhões, o que totaliza kz 36 mil milhões em investimento até ao momento por parte do accionista.

Fundado em 1991, o BCI teve gestão do Estado angolano até 2022, altura da sua venda para uma entidade privada, no quadro do Programa de Privatização (PROPRIV) levado abado pelo Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE).

O PROPRIV foi criado com o fito de reduzir a intervenção do Estado na economia e promover o fomento empresarial.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: