Luanda - A faltar poucos dias para o processo de recolha e formalização de assinaturas para candidatos ao cargo de Secretário-geral da Juventude Unida Revolucionária de Angola –JURA-, braço juvenil do maior partido na oposição, União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), várias são as intenções entre os políticos interessados em dirigir os destinos da juventude dos “Maninhos”, entre os quais o jovem António Marques.

Fonte: Club-k.net

Marques, afirma, ao ser eleito, aponta entres as prioridades; mudar o cenário político no país pela forma como desenvolveu actividades na Brigada de Mobilização Especial (BME), da qual é cofundador; emancipar o género na JURA e empoderá-la para os desafios do contexto actual; desenvolver Planos Nacionais de Desenvolvimento Sustentável da Juventude e trabalhar na proposta de Lei para a Juventude angolana.

 

António Marques é natural da província de Luanda, militante da UNITA desde o exílio na África do Sul em 2002, Vice-Ministro da Juventude e Desporto do Governo Sombra da UNITA, membro da Comissão Política da UNITA e do Comitê Nacional da JURA, membro fundador e Chefe das Operações da Brigada de Mobilização Nacional.

 

O pré-candidato, julga-se um potencial concorrente ao “5º Congresso Ordinário da JURA”, que, embora ainda não ter começando a fazer o trabalho de casa, em contacto com alguns secretariados do seu partido já responde às exigências de potenciais eleitores que o querem ver no poder nos próximos dias 15, 16 e 17 do mês de Março, dias previstos para a votação de quem irá substituir Agostinho Kamuango, em fim de mandato.

 

O jovem político Integra a lista de outros jovens continuadores dos ideais do presidente fundador da UNITA, sendo que consta da sua ficha política a participação na criação e dinamização de vários projectos de interesse colectivo e de valor patriótico.

 

Para António Marques, face a conjuntura que o país atravessa em todos os sectores, a JURA deve estar dinamizada em termos organizacional politico e administrativamente, para que corresponda aos desideratos da sociedade como um órgão juvenil que inspira outros jovens na forma de pensar, de viver, de fazer política e de estar nela.

 

Pois, realça o político, falar da JURA é incorporar a juventude a uma unidade revolucionária por uma causa justa em prol de todos os angolanos para afirmação da alternância do poder.

 

De acordo com o pré-candidato à liderança da JURA, faz parte dos seus planos a formação política e ideológica dos membros da organização juvenil da UNITA, mas a par disso levará em paralelo a formação técnica e profissional dos seus correligionários.

 

A nível da gestão de membros, quadros e simpatizantes da JURA, Marques pretende aplicar as experiências e estratégicas desenvolvidas na Brigada de Mobilização Especial (BME), que funcionou e bem, segundo disse.

 

“Inspiramos e coordenámos as BME em todas as províncias do País e na diáspora. Na JURA vamos criar uma base de dados que nos permitirá planear, coordenar, corrigir, e gerir de forma segmentada os jovens da JURA. Saber quantos somos, onde estamos, o que fazemos, como vivemos, para poder responder as necessidades sociopolíticas na JURA”, garantiu.

 

Questionado sobre o seu parecer a respeito da actual liderança da JURA, em fim de mandato, António Marques frisou que a actual direcção da JURA terá feito o que foi possível, porquanto todos nós vivemos as consequência de inúmeras dificuldades por conta da COVID-19.

Percurso Político

Em 2002 depois dos acordos de paz, com seu amigo emigraram para a África do Sul, como exilado da UNITA, porque sofriam repressões por conta das suas intervenções revolucionárias através do Rap e Hip Hop, enquanto músicos deste estilo musical, onde aprenderam o necessário sobre a UNITA;

 

Em 2006 por razões legais entre a ONU e o governo Sul-africano, foi convidado a abandonar o País, bateu portas das Instituições do Estado angolano e Sul Africano a fim de permanecer, porque estava a fazer a formação superior, mas não teve sucesso;

 

Em 2OO7, forçosamente, através de um salvo conduto voltou para Angola. Em 2012 voltou a fazer as intervenções sociopolíticas. Foi por esta via das redes sociais que conheceu Alcino Kuvalele (Jonas dos Santos), esse passou a ser o seu mentor e formador de política ideológica até a formação do PMI em 2015 e criarem a BME (Brigada de Mobilização Especial);

 

Em 2022 – Indicado a membro acompanhante (Cabo eleitoral) da Segunda região que comportava as províncias do Bengo, Cuanza Norte e Malanje;

 

Ainda em 2022; foi membro da Direcção Nacional de Marketing da campanha eleitoral de (Propaganda e contrapropaganda) nas redes sociais;

 

Em 2021 – Director da Juventude da campanha do actual presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior;

 

Desde o ano de 2021, Marques exerce o cargo de Vice-Ministro da Juventude e Desporto no Governo Sombra da UNITA;

 

Desde 2019 – Eleito membro da Comissão Política da UNITA no XIII Congresso Ordinário do Partido (anulado) e reafirmado como membro do mesmo órgão no XIII Congresso Ordinário (repetido); Membro da Equipa de Marketing da campanha (Criação de conteúdos nas redes sociais);

 

Desde 2018 – Membro do Comitê Provincial do Partido UNITA em Luanda;

 

No ano de 2018 a 2019 – Director Nacional para Mobilização Urbana do Executivo Nacional da JURA;

 

Desde 2016 – Membro do Comitê Nacional da JURA;

 

Desde 2016 a 2018 – Secretário Regional da JURA em Viana;

 

Em 2016 – Secretário para Mobilização da JURA;

 

Desde 2015 – Membro fundador e Chefe das Operações da BME Nacional e Coordenador da BME Viana.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: