Luanda – A nível do Ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, recaem fortes suspeitas de que um administrador da nova Agência Nacional de Recursos Minerais (ANRM), tenha usado da sua posição de alto funcionário do sector para entrar num negócio de prospecção de ouro numa mina na província do Bengo.

Fonte: Club-k.net

Antigo Chefe do Departamento de Topografia e Desenho da Direcção Nacional de Licenciamento e Cadastro Mineiro deste Ministério, Lucombo Francisco Pedro, foi nomeado em Junho de 2020 pelo Presidente João Lourenço para integrar o conselho de administração da ANRM.

 

Engenheiro de formação pela UAN, Lucombo Francisco Pedro é dono de uma empresa LUKESTICO, Limitada que controla 5% (cinco por cento) da Associação em Participação do Projecto Bom Jardim, constituída por mais duas empresas, a estatal FERRANGOL P&P, e a PRAXIS, S.A. de Manuel Vicente que detém 70% (setenta por cento) do projecto.

 

A Associação em Participação do Projecto Bom Jardim ganhou, desde o dia 8 de Junho de 2018, Direitos de Prospecção de Ouro, numa concessão situada na Comuna do Piri, Município dos Dembos, Província do Bengo por via de um Contrato de Investimento Mineiro aprovado em Despacho numero 147/18 assinado pelo Ministro Diamantino Pedro Azevedo.

 

O referido investimento é de quase 10 milhões de dólares que visa procurar ouro numa aérea de 5 mil quilômetros quadrados.

 

O tema tem dado azo a receios de que Lucombo Francisco Pedro na sua qualidade de administrador do órgão público de regulação e fiscalização e promoção do Sector Mineiro Angolano, possa se expor num quadro de conflitos de interesses por a sua empresa estar num negócio que requer a fiscalização da instituição em que ele é administrador executivo.