Luanda - A entrada de Angola no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas está a ser questionada por várias organizações não-governamentais internacionais.

 
Fonte: Apostolado

 

ImageA ONG alemã “Sociedade para os povos ameaçados” critica a eleição do país, devido a forma como tem lidado com a situação de Cabinda.

 

“Há muito que acompanhamos a situação dos direitos humanos no enclave de Cabinda. Houve aquele terrível atentado durante a Taça das Nações Africanas que demonstrou ao mundo que não há paz em Cabinda” – disse Ulrich Delius, representante da organização alemã.

 

“Precisamos de paz para Cabinda, de respeito pelos direitos humanos e de uma justa distribuição dos lucros das vendas de petróleo. Cabinda é responsável pela metade da produção de petróleo em Angola, mas os benefícios da venda não chegam a população” – acrescenta.

 

Catorze países entraram esta quinta-feira para o Conselho, mas, segundo os defensores dos direitos humanos, metade dos novos membros violam esses mesmos direitos, entre os quais a Líbia, Malásia, Uganda e Tailândia.

 

“Na Líbia temos o problema do racismo crescente. Entre a opinião pública líbia aumentou a xenofobia contra africanos negros. Houve vários ataques e, estes chegaram também aos órgãos estatais.” – indica o comunicado.

 

“Recebemos queixas de cidadãos do Níger, Mali e de outros países. Algumas dessas pessoas que foram expulsas contaram que foram torturadas nas cadeias líbias” – conclui o documento.

 

O Conselho é o principal órgão das Nações Unidas em matérias de Direitos Humanos e tem a sua sede em Genebra, Suiça. Criado em 2006, no âmbito das reformas da ONU, conta actualmente com 47 estados membros eleitos por maioria absoluta para um período de três anos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: