Luanda - Mais um tribunal comum, desta vez o Tribunal Supremo, colocou mais um prego no caixão da Federação Angolana de Futebol “FAF”. Antes do elenco do King Arthur, a corrupção já engatinhava nos corredores da FAF, mas o que está a acontecer nos últimos tempos não tem precedente, pois, são muitos os tiros que a FAF dá propositadamente nos pés para provar o despreparo para dirigir o futebol nacional.

Fonte: JA

A bem da verdade, o longo defeso do futebol nacional só tem uma única explicação: A corrupção da FAF! É por causa desta visível corrupção que o nosso futebol, agora, prefere os tribunais aos relvados, com o agravante de que a Federação ainda não ganhou nenhum dos casos que tiveram os tribunais como juízes; atenção que ainda não estou a incluir o "Caso Kabuscorp”, embora este também tenha a ver com a corrupção da FAF.

Se a vitória do ex-seleccionador nacional José Kilamba ficou ofuscada pela pouca mídia, em parte porque o próprio assim o quis, o mesmo já se não pode dizer sobre a recente promoção que a Federação fez a Norberto de Castro. Como é sabido, Norberto de Castro não participou das eleições que reconduziram o King Arthur para o segundo mandato, mas é o Tribunal Supremo, que não actuou nas vestes de tribunal desportivo, que mais uma vez expôs a corrupção que está a corroer a Federação.

Meses atrás, eu toquei de leve na decisão de Norberto de Castro de recorrer aos tribunais comuns, em busca de justiça, ainda é minha convicção de que o King Arthur e Norberto de Castro são farinha do mesmo saco, mas com a promoção desproporcional que o King Arthur faz de Norberto de Castro é normal que daqui a pouco, as pessoas comecem a ver um novo salvador, realmente se não fosse a teimosia do King Arthur e da sua assessoria jurídica, nunca o Tribunal Supremo entraria em campo para expôr a vergonhosa corrupção que descredibiliza todos os dirigentes da FAF.

Eu para evitar conjecturas, prefiro esclarecer que a palavra corrupção tem vários significados, sendo um deles: "abuso do poder para conseguir benefícios próprios.” É sobre este tipo exclusivo de corrupção que estou a escrever, ainda mais porque os factos falam por si, ou seja, a Federação prefere passar ao largo do bom senso, para provar sabe-se lá o quê, sem se importar com as consequências que o seu mau exemplo está a causar a todo o futebol nacional.

Se a FIFA de repente pedir explicações sobre o que realmente se passa no futebol angolano, eu não sei que argumentos a Federação vai apresentar para evitar deixar a FIFA de queixo caído. Por mais que todo o mundo mereça o benefício da dúvida, está cada vez mais difícil acreditar na capacidade que o King Arthur e principais colaboradores têm de entender até os seus próprios regulamentos, pois os estão a violar sistematicamente, sem se importar com as consequências. A FAF aguenta o barulho!

Eu vou acreditar que o defeito é do meu ouvido, mas se era mesmo vontade da Federação de começar o campeonato no sábado, dia 13, como chegou a admitir José Neves, presidente do Conselho Técnico, a única conclusão a que posso chegar é que o dirigente federativo deve ter pensado que estava no dia 1 de Abril. Realmente custa acreditar que o presidente do Conselho Técnico não sabia que a Selecção Nacional está em Portugal a aproveitar as duas Datas FIFA do mês de Outubro, 13 e 17.

Se os amistosos com Moçambique e RDC foram amplamente divulgados até pela própria Federação, significa que não havia condições para o início do Girabola, a menos que José Neves estivesse a querer dar motivos de queixas à FIFA, que força, no bom sentido, a paragem dos campeonatos nacionais nas universalmente Datas FIFA, para que os interesses de todas as selecções mundiais não colida com os dos clubes.

Sempre que calha uma Data FIFA, todos os clubes são forçados a dispensar os atletas convocados, é por isso, que a FIFA com demasiada antecedência dá a conhecer, em que dias e meses quer ter o direito exclusivo sobre os atletas mundiais. Se a FAF é filiada da FIFA, significa que recebe em primeira-mão informações privilegiadas da FIFA, assim só pode ser a corrupção ou abuso do poder que reina na FAF que fez José Neves cair na tentação de querer que o campeonato começasse quando deveria parar.

Tudo o que está a acontecer desde que surgiu o famigerado "Furação 31” vem provar que há uma nítida guerra de egos dentro da Federação, parece que alguém está a querer dar razão a Norberto de Castro por saltar do barco como saltou. Por mais que o King Arthur venha a público argumentar que o Conselho Técnico, Conselho de Disciplina e o Conselho Jurisdicional são independentes, ainda assim, não conseguirá convencer os mais atentos, ainda mais porque a falta de comunicação entre os três órgãos supracitados é bem assustadora. É por isso que ultimamente José Neves aparece sempre mal na fotografia, porque tenta provar que o Conselho Técnico não é o parente pobre da FAF.

Por mais que se tente fazer crer que há decisões colegiais, não dá para aceitar que a Supertaça tenha sido adiada em cima da hora, quando o comunicado do Conselho de Disciplina há dias que já estava feito.

Falta de comunicação ou a corrupção da FAF?