Luanda - Escrevo na sequência das declarações de um vídeo de Karina dos Santos, militante do partido UNITA que declara no referido vídeo que esta ser alvo de exclusão e abandono por ter publicado recentemente uma foto ao lado do antigo presidente da UNITA, Isaías Samakuva.

Fonte: Club-k.net

A pouca experiência política de muitos dirigentes da nossa praça sobretudo os mais jovens. Isso vale para todos partidos.


Os acordos entre partidos que se opõem sempre existiram e sempre existirão.


Fala-se muito do senhor Samakuva como tendo traído o seu partido. Mas foi o Samakuva que criou esta base forte de jovens dirigentes que hoje se revoltam contra ele.

 

A história de qualquer nação ou organização partidária é feita por etapas. O Samakuva era necessário naquele momento crucial da nossa história como nação. Por ser um grande diplomata conseguiu conciliar vontades dentro do seu partido e fora deste. Ou seja, com o MPLA que é o partido que governa.

 

Até às grandes potências fazem acordos para preservarem interesses mútuos.
A Rússia e os EUA possuem muitos acordos.


Agora, posições radicais que visam excluir um membro por ter dito algo a contragosto de quem dirige tem de acabar. Senão, a democracia que tanto pregam e usam-na para crucificar o MPLA será ou é uma autêntica falácia.

O renomado professor doutor André Sango, no 2° congresso constitucional de Angola, disse que é preciso conversar sobre o país sem que as pessoas passem a pensar em conspiração.


Ainda o político e antigo Governador do Cuanza Norte, Dr. José Maria Ferraz dos Santos, numa conferência ANGOLA PAZ E DESENVOLVIMENTO, disse: Para o bem da humanidade, para a preservação dos valores essenciais de convivência e respeito indispensável das instituições, é necessária a adopção de planos de formação e educação.


A intolerância e a falta de diálogo nas diversas organizações existentes em Angola em particular nos dois partidos políticos, já foi motivo de clivagens e derramamento de sangue.

A intriga e luta de poder nessas organizações é uma marca quase que, acaba por definir o seu carácter. É uma forma clara de cimentar a posição de um grupo em situação de vantagem em detrimento de outro que fica fragilizado e excluído. E muitas das vezes sem chance de se defender em fórum próprio. As redes acabam por ser o último recurso, oficioso.


Já chamaram a Carina para ser ouvida?

 

O que se fala sobre ela e outros que comungam as mesmas ideias foi comprovada?

Atenção, Chivukuvuku e outros da sua época recente, também foram vítimas deste tipo de intrigas.

Quem gere melhor as intrigas partidárias ou se quisermos palacianas? A UNITA ou MPLA?

 

Os dois maiores partidos de Angola têm na sua génese ideológica o socialismo. Embora todos pregam a democracia.


Nenhum deles sabe gerir intrigas. Todos na hora H tomam decisões radicais. Sem nenhuma chance para a vítima. É só olhar para o percurso e história dos dois.

Muitas das vezes, os problemas internos destes dois são tão grandes que se esquecem de resolver as necessidades fundamentais do resto da população.
Portanto, a democracia, o perdão, a tolerância e diálogo permanente deve começar nas famílias, nas associações de varia índole incluindo partidos políticos.

É evidente que algumas pessoas têm sido compradas.

Isto tem acontecido de lado a lado. MPLA e UNITA.