Luanda - “O Presidente da República, João Lourenço, foi hoje convidado pelo Presidente Volodymyr Zelensky para participar na Cimeira sobre a Paz na Ucrânia, que está prevista para os dias 15 e 16 de Junho na cidade suíça de Bürgenstock. O Chefe de Estado agradeceu o Presidente ucraniano pelo convite mas por razões de calendário não poderá participar”. Fonte: Centro de Imprensa da Presidência da República, 21 de Maio.


Como ensinam os manuais de Jornalismo, a notícia é o relato de um facto pouco comum, relevante, de interesse público.


Na nota do CIPRA, a notícia não é o convite do líder ucraniano ao seu homólogo angolano. A notícia é João Lourenço abrir mão de uma viagem ao estrangeiro.


A caminho de completar o sétimo ano no poder, é a primeira vez que os angolanos são informados que João Lourenço dispensou uma viagem ao estrangeiro.


O CIPRA andaria bem se a esse facto inédito acrescentasse uma “tradução” das razões de calendário que forçaram o viajante-compulsivo a dispensar a ida à Suíça.


No calendário de Angola, Junho não comporta nenhuma data especial. Até agora não há ciência de qualquer evento político de grande monta marcado para aquele mês.


Por que será, então, que o Presidente não anuiu ao convite de Volodymyr Zelensky?


Serão já as dores de cabeça, inerentes à inevitável sucessão, que aconselham o PR a permanecer em terra firme por pelo menos um mês seguido?