Luanda - Os trabalhadores da refinaria de Luanda, que operam em regime de contrato de cedência temporária, deliberaram a paralisação total de todas as actividades por tempo indeterminado a partir do dia 10 de Junho, caso o Conselho de Administração da SONANGOL não se pronuncie sobre os pontos constantes no caderno reivindicativo.

Fonte: Club-K.net

A decisão saiu da assembleia de trabalhadores realizada este sábado, 1 de Junho, em Luanda, e afirmam que reclamam há mais de 25 anos, a falta de enquadramento efectivo do pessoal na SONANGOL, ajuste salarial e melhores condições laborais.

 

Em declarações à imprensa, os lesados dizem esperar o bom senso da entidade patronal tendo em conta que a paralisação de todos os trabalhos fará com que haja falta de gás de cozinha em Luanda.

 

Os mesmos dizem que o Conselho de Administração da Sonangol tem violado sistematicamente as leis existentes no país, assim como o parecer do MAPTSS, que orientava à empresa SONANGOL a regularizar a situação dos trabalhadores.