Luanda - Uma gravação do Presidente do Zimbábue, Emmerson Mnangagwa, a falar com o Presidente russo, Vladimir Putin, tem circulado, provocando reações generalizadas. Na gravação, Mnangagwa expressa preocupação de que os americanos estejam a apoiar a Zâmbia e o Maláui, países vizinhos do Zimbábue, e solicita urgentemente ajuda da Rússia. A gravação é chocante e está a ser partilhada rapidamente, levando muitos africanos a questionar como foi divulgada. O conteúdo é particularmente preocupante porque retrata um líder africano a implorar ajuda à Rússia devido ao apoio americano a países vizinhos.

Fonte: Club-k.net

Não há dúvida de que a Zâmbia mantém uma relação próxima com os Estados Unidos. De facto, uma das maiores embaixadas dos EUA na África Austral está localizada na Zâmbia. Uma comunidade zambiana significativa reside nos Estados Unidos, e há uma geração de zambianos com dupla cidadania, pois muitos pais zambianos estudaram anteriormente nos EUA. Esta diáspora zambiana permanece ativamente ligada à sua terra natal. Intelectuais zambianos destacam-se em vários setores da sociedade americana e mantêm fortes laços com o seu país.

O laço entre a Zâmbia e os Estados Unidos é profundo, refletido também na longa tradição de missionários americanos a trabalhar na Zâmbia. Muitos zambianos seguem diferentes ramos do cristianismo influenciados por práticas americanas. Por exemplo, em Lusaka, podem encontrar-se igrejas pentecostais lideradas por pastores que pregam a teologia da prosperidade, um reflexo do intercâmbio cultural entre a Zâmbia e os EUA.

Durante a Guerra Fria da década de 1970, a Zâmbia inclinou-se ideologicamente para a direita, alinhando-se mais confortavelmente com os Estados Unidos. Isto foi evidente em momentos emocionais como o Presidente Kenneth Kaunda a chorar na campa de John F. Kennedy e a visitar o túmulo de Martin Luther King Jr. A elite zambiana foi profundamente influenciada pela visão de mundo afro-americana, com muitos zambianos a estabelecerem-se em lugares como Atlanta, que ainda tem uma grande comunidade zambiana.

Num discurso recente, o presidente zambiano, um empresário rico, enfatizou a importância de uma economia de mercado, ecoando as ideias de Adam Smith. Ele demonstrou pouca consideração por modelos económicos marxistas ou socialistas, salientando que a Zâmbia não apoia o capitalismo de compadrio, onde o poder político é usado para adquirir riqueza. O presidente anunciou uma iniciativa para rever contratos passados com base em critérios justos, sinalizando um compromisso com a transparência e a reforma económica.

O Zimbábue partilha uma proximidade semelhante com os Estados Unidos, particularmente entre a sua elite. Muitos zimbabueanos estão baseados no Reino Unido e nos EUA, onde contribuem significativamente para o seu país de origem através de remessas. O Presidente Emmerson Mnangagwa reconheceu o impacto económico destas remessas, que vêm de profissionais como enfermeiros, especialistas em TI e professores que enviam dinheiro para casa para sustentar as suas famílias no Zimbábue.

A influência financeira desta diáspora apoia a oposição, criando uma dinâmica política única. A oposição no Zimbábue recebe apoio substancial do estrangeiro, particularmente da diáspora ocidental, o que representa um desafio para o partido no poder. As preocupações de Mnangagwa sobre a influência americana estão ligadas ao poderoso papel da diáspora zimbabueana no Reino Unido e nos EUA, que não hesita em financiar movimentos de oposição.

Na gravação controversa com o Presidente russo Vladimir Putin, Mnangagwa expressa a sua ansiedade sobre esta influência externa, destacando o apoio financeiro e político que a oposição recebe da diáspora. Este apoio é crucial para a economia, pois as remessas desempenham um papel essencial no sustento de muitas famílias zimbabueanas.

Em Umbundu, há um provérbio que diz que se vires dois irmãos a lutar, não intervenhas com uma faca; usa lama em vez disso. Isto significa que se intervenires com uma faca e um irmão se magoar, ambos podem voltar-se contra ti, perguntando por que introduziste a faca na luta deles. O Zimbábue e a Zâmbia sempre tiveram as suas divergências, especialmente entre a elite, mas as pessoas comuns partilham laços fortes.

Os zimbabueanos e zambianos no terreno estão entre as pessoas mais intimamente ligadas no continente africano. Grandes comunidades de zimbabueanos vivem na Zâmbia, falando línguas locais e integrando-se perfeitamente na sociedade zambiana. Em muitos bairros, zimbabueanos e zambianos vivem juntos harmoniosamente, partilhando uma cultura comum e respeito mútuo. Isto é espelhado por zambianos a viver no Zimbábue, onde se sentem em casa e parte da comunidade.

A nível político, no entanto, pode haver tensões, pois as alianças mutáveis e as mudanças de poder frequentemente criam atrito. Apesar disto, estas tensões geralmente não são graves. Por exemplo, o Presidente do Zimbábue Emmerson Mnangagwa passou uma parte significativa da sua vida na Zâmbia, onde exerceu advocacia e onde a sua família se estabeleceu. As suas profundas ligações à Zâmbia refletem as histórias e relações entrelaçadas entre as duas nações.

É importante para potências externas, como a Rússia, compreenderem que, apesar de quaisquer problemas políticos atuais, a Zâmbia e o Zimbábue têm um laço profundamente enraizado. A sugestão de que os EUA estão a apoiar a Zâmbia para minar o Zimbábue é um exagero. Os zambianos nunca procurariam destruir o Zimbábue; em vez disso, desejam ver um vizinho estável e próspero. Quaisquer problemas entre os dois podem ser resolvidos através de canais diplomáticos e organizações regionais como a União Africana ou a Organização dos Estados Africanos, Caribenhos e do Pacífico.

A relação entre a Zâmbia e o Zimbábue é complexa, mas fundamentalmente forte, construída sobre história, cultura e apoio mútuo partilhados. As influências externas devem reconhecer esta resiliência e a preferência por resolver problemas através do diálogo e da cooperação.

A Rússia e o Presidente Putin devem ter cuidado para não serem influenciados por indivíduos ainda enraizados em mentalidades da Guerra Fria; embora a Rússia tenha o direito de expandir a sua influência em África, é importante reconhecer que o continente está a abraçar o desenvolvimento global, a inovação digital e o progresso económico como meio de melhorar as suas nações; compreender a paisagem em mudança de África, com a sua multitude de pontos de vista e crescente apreciação pela diversidade, é essencial.