Lisboa - A aeronave do Grupo Chicoil desaparecida a 21 de Maio tinha sido solicitada para a prestação de serviços de 100 horas pelo empresário mauritaniano Rachid Mustafa, sendo o destino Ponta Negra e Nigéria, segundo avançou o secretário-geral e administrador de finanças da empresa Chik-Chik Aeronáutica, Bento Cacama, por ocasião dos 30 dias desde o desaparecimento do aparelho.

 

Fonte: Club-k.net

A cerca do manifesto que alega a deslocação por razões de saúde, segundo publicado pela imprensa angolana, nesta segunda-feira, disse que "no documento endereçado por Rachid evocou missão privada", pelo que Bento Cacama afirma desconhecer essa razão de saúde, uma vez que "o manifesto é feito pelo comandante e apresentado por ele as autoridades da aeronáutica".


O comandante José Rocha, também desaparecido na aeronave, era igualmente o responsável máximo da Chik-Chik Aeronáutica. O co-piloto era Pedro Domingos Paulo. Bento Cacama deu ainda a conhecer que as famílias do piloto e co-piloto  recebem o salário normalmente e assim que a Comissão de Protecção Civil e o Instituto Nacional de Aviação Civil (INAVIC) derem por terminada a missão de buscas, a empresa de seguros Ensa, onde está assegurada a aeronave e a direcção da Chicoil, terá uma palavra a dizer.


Em relação ao empresário mauritaniano, Bento Cacama disse terem comunicado à família sobre o ocorrido, já que em Angola a Mauritania não tem representação diplomática. Explicou ainda que na passada sexta-feira teve conhecimento que um dos familiares, irmão ou primo de Rachid Mustafa tinha chegado a Luanda munido de uma procuração da família que o delegava para junto das autoridades angolanas e do Grupo Chicoil tratar do assunto, mas ainda não apareceu junto desta instituição.


Referindo-se às condições técnicas do avião, esclareceu que estava em perfeitas condições quando o incidente ocorreu, uma vez que tinha feito a última revisão na África do Sul há menos de dois meses. Mas antes disso, frisou, o aparelho prestou serviço para a Endiama e saiu com o Presidente do Conselho de Administração do Grupo Chicoil para uma outra viagem.


"O Grupo Chicoil possuía o aparelho desaparecido há cerca de sete anos e nunca teve problemas graves", enfatizou. O B2-00 é de fabrico americano. A empresa tem mais dois aviões operacionais e um helicóptero que se encontra em manutenção.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: