Lisboa - A restrição ao acesso a figura  do Presidente  José  Eduardo dos Santos (JES) esta a estender-se para escalões que abrangem o seu próprio circulo familiar mais directo. De acordo com um novo cenário, o seu telemóvel  pessoal usado para falar com familiares da linha de Marta dos Santos (na foto) passou a estar em posse do  general  Manuel Helder Vieira Dias “Kopelipa”.  Quando os familiares ligam para o PR, o general atende e mediante a disponibilidade do estadista re-encaminha a chamada. A medida é entendida como passo destinado a evitar “chatices”.

 

Fonte: Club-k.net

 “Kopelipa” é quem decide com quem o PR  fala

Por outro lado, a  mesma  medida esta igualmente a ser acompanhada por reservas em torno da  pessoa do general “Kopelipa” que passou a ser  identificado, no círculo familiar de JES, como  a figura que esta a “privatizar” o acesso ao  PR.

 

Nos anos anteriores,  o acesso ao Chefe de Estado angolano teve duas  fases. Na primeira os familiares que desejassem algum apoio ou tratar questões com o mesmo, faziam por intermédio de  um sobrinho, Catarino dos Santos, que chegava a ser  designado por “Director do gabinete para os assuntos familiares”. (Hoje presta  serviços junto a casa militar da PR.)

 

A segundo fase (de acesso ao PR) envolve, Fernando Garcia Miala, ex-DG do Serviço de Inteligência Externa (SIE). A dada altura, era a ele a quem os familiares de JES se dirigiam quando necessitassem de apoio. Ajudou Isabel dos Santos a erguer o seu patrimônio econômico e prestou assistência crucial a irmã do PR, Marta dos Santos.

 
Contactos a nível das instituições

É também o general “Kopelipa” figura a quem a direcção do SIE passou a  responder. Aquela direcção deixou de ter contacto físico ou directo com o Chefe de Estado como acontecia ao tempo do general Fernando Miala. “Kopelipa” é quem liga o telefone para dar as instruções do PR. Em meios competentes, entendem ser desaconselhável esta forma de contacto tendo em conta o antecedente de Agostinho Neto e do seu Ministro da Defesa “Iko” Carreira a quem a Inteligência Militar e a DISA passaram a responder directamente.

 

A  restrição aos contactos do PR é uma acção  reflectida no seu estilo de liderança. Há casos de  ministros que nunca tiveram audiência com o mesmo (encontram-se apenas nas reuniões de conselho de Ministros). Pitra Neto, quando foi indicado Vice Presidente do MPLA, terá apenas sido recebido nesta qualidade depois de 4 ou 6 meses. O mesmo se passa com Fernando da Piedade dias dos Santos. Quando  foi nomeado Vice-Presidente da Republica teria ficado “um bom” tempo sem ser recebido como segunda figura da hierarquia do país. 

 

A figura a quem o PR telefona sem intermédio (dos préstimos do general “Kopelipa”) é Carlos Feijó.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: