Alemanha - ários relatos e documentos provam de que , a policia secreta angolana  nunca teve , grandes dificuldades de penetração e articulação em certos países africanos e  europeus.Por exemplo , nos anos 80/86 na Europa , era em Portugal onde se sentiam como peixe na água e donos da situação, dada as grandes facilidades e fragilidades  que encontravam no terreno.


Fonte: Fernando Vumby


Já no continente africano , ela sempre dominou e continua  controlando a situação , entrando e saindo sem qualquer dificuldade.

 

Ao ponto de realizarem o seu trabalho , com a maior das perfeições , como prova algumas acções de sabotagem realizadas na Zâmbia  por F.G.Miala , Pedro Sebastião Mujimbo e outros no passado.

 

Sob o pretexto de que ,  tinham que perseguir  os  homens da UNITA asilados naquele e outros países do continente africano , ou porque esses regimes , apoiavam e facilitavam a circulação , dos  kwachas.

 

Aliás ,  isto nunca foi tarefa difícil  para os camaradas , que até diga-se de passagem , estavão muito bem treinados .Mais como o assunto hoje não é só , sobre a anatomia da Disa então seguem o texto .

 

Asilado políticos ( Ngundeiros ) Seus dramas & Operação kuanza

 

Ngundeiros  , tornou-se conhecido como nome daqueles , que abandonaram seus países, na busca de segurança e  liberdade em outros países , principalmente da Europa e América.


Quanto se sabe é uma palavra de origem lingala que significa (  asilado ) e começou a ser utilizado , como código , para confundir as autoridades de países onde existia um grande número de cidadãos do antigo Zaire ( RDC ).

 

Angola é um país que foi construído com uma sucessão de deserções e asilo políticos , não apenas por causa das guerras , mais outras razões também , obrigaram muita gente a abandonar o país .

 


Pedir asilo político , é um direito , garantido pela Declaração Universal dos Direitos humanos e é algo mais antigo , do que se possa imaginar , que até  já era reconhecida nas antigas civilizações , Gregas , Egípcias e Hebraicas.

 

O artigo 14 da Declaração da UNO diz , claramente que ; em caso de perseguição , toda gente tem o direito de procurar asilo político e de receber o benefício dele em qualquer país. Enquanto o artigo 13 diz que ; toda a pessoa tem direito de circular livremente e o direito de abandonar o país  em que se encontra , incluindo o seu , e o direito de regressar.

 


Claro que há países que não respeitam e nunca respeitarão tais direitos , e um deles é Angola , como mostram alguns factos conhecidos.

 

O regime  liderado por Eduardo Santos ignora todas essas  regras internacionais citadas ,só dando asilo , á quem é , colaborador do regime na compra e venda de armas , ou no transporte de  diamantes angolano , para o mercado Europeu .

 

Asilado político  só é,  considerado , quem lhe foi oficialmente conferido  este estatuto , por entidades migratórias em plena sintonia com a UNO. Foi isto que li e aprendi , com a  experiência de tantos asilados políticos que conheço e tenho como amigos. Muitos por uma questão de ignorância confundem e pensam que , basta entrar num determinado país , fazer o pedido e já é , automaticamente considerado asilado político , mesmo antes de haver o reconhecimento formal do  pedido feito. Cada país tem o seu critério e no caso da Alemanha por exemplo  ; varia de situação para situação .

 

Conheço caso de  pessoas que , em menos de 6 meses viram seus pedidos aceites , enquanto outros , mesmo até depois de mais de  10 anos , de espera e Analise  de seus processos  ,  viram seus pedidos rejeitados , acabando esses , por ser repatriados  ou  por vontade própria , tentavam  noutros países.

 

Alguns depois de bem preparados os seus argumentos para justificarem seus pedidos de asilo , acabavam , por ter a sorte do seu lado, conseguindo com sucesso  noutros países

 


Infelizmente muitos angolanos e não só , por uma questão de desconhecimento dos seus próprios direitos universais , como seres humanos ,  acabam assumindo uma postura de mendigos ou desgraçados como se estivessem perante um pedido de algum favor .

 

O que , os coloca numa posição de total desconhecedores  do direito que pretendem reivindicar , ou fazer valer.  Atitude essa que , dificultava o reconhecimento de seus pedidos , e acaba por criar  também por sua vez alguns obstáculos, no processo de integração dessas pessoas , de acordo com as normas legais desses países. Grandes nomes das ciências e do mundo político também foram ngundeiros " Asilados políticos"

 

Creio que muitos estudiosos ainda se lembram dos pedidos de asilo em países com Alemanha , França e outros , de figuras de renome como , Descartes , Voltaire , Hobbes e  outros tantos que numa dada altura das suas vidas , se sentiram perseguidos e , ameaçados em seus próprios países.

 

A carta da ONU , reconhece o homem como sujeito de direito internacional , na dignidade e valor da pessoa humana , e apresenta o ngundeiro como um corolário do princípio da protecção e respeito dos direitos humanos.  Liberdades fundamentais para todos sem distinção.

 

Dramas dos asilados políticos ( ngundeiros )

 

 Cada ngundeiro tem a sua história , sendo algumas dramáticas enquanto outras um tanto cómicas , porque na busca desenfreada da chamada segurança e liberdade , cada um prepara o seu historial ou argumento , de formas a fazer valer o seu pedido de asilo no tão sonhado paraíso Europeu.

 

Muitos por falta de argumentos que justificassem as tais perseguições de que alegavam serem vitimas em seus países , acabam esbarrando , assinando o seu próprio repatriamento com a " língua ".

 


Enquanto outros , com provas documentadas ,  acabavam por ser reconhecidos como asilados políticos no curto espaço de tempo , aproveitando todos os benefícios conferidos pelo estatuto.

 

Outros ainda pouco lúcidos , longe de conhecerem o verdadeiro significado do que é , ser-se asilado político ,  inventam histórias pouco convincente e se apresentam perante as famosas entrevistas , como figuras cómicas de circo.

 

Para alguns , o pedido de asilo político , parecia um jogo de batota , onde tudo vale , não se importando que o Manuel passasse a ser tratado por João , Pedro , Kamatuba , ou que , do dia para noite , o cidadão Zairense , Guinense , Nigerianos   se , transforma-se em angolano , porque era tempo de guerra em Angola e era bom argumento.

 

O mais importante parecia ser  mesmo só , não perder  a batalha e a  grande sorte de poder viver , no el- dourado Europeu , onde o sol que raramente nasce , mais quando acontece é para todos .

 

O que lamento profundamente , é que muitos mesmo com a sorte , por vezes de ganharem esse jogo de quebra cabeças , não saberem aproveitar as grandes oportunidades que o estatuto e a Europa oferece em termos de formação profissional e não só.

 

Mas também julgo importante realçar os tantos angolanos e não só , que fizeram seus  nomes no campo  do desportos da cultura , assim como outros bons e grandes profissionais exemplares nas mais variadas actividades , nos países que os acolheu.

 


Morte de asilados & Operação da Disa em terras lusa   ( anos 80 / 86 )
Eles denominaram-na  como : (  Operação kuanza )

 


 Os da minha geração que abandonam Angola muito cedo , creio que ainda se lembram de alguns desses casos, ocorridos em Portugal e que não deixaram de ser comentados por algumas imprensas locais.

 


80 / 86 esses foram os anos mais dramáticos para os chamados ngundeiros em Portugal , por que marcaram de forma triste a vida , de muitos daqueles que abandonaram , Angola , por  razões de perseguição política , e se sentiam inseguros na sua própria terra. 

 

Quem ainda se lembra das circunstâncias em que foram  mortos nossos compatriotas que viviam como asilados políticos em Portugal , creio que jamais um dia , se esquecerão desses nomes: Evo Fernandes -- Daniel Fermenga -- Venâncio Luís - Mduzo Duzito e tantos outros de quem falo mais adiante e com lágrimas no rosto, porque conheci pessoalmente alguns deles.

 

Decorriam os anos 80 / 86 altura em que vários navios angolanos , Karipande , Ngola e outros ainda faziam as suas escalas aos portos de Alcântara , Leixões e outros , carregados de mercadoria e  número considerável de tripulantes.

 

Entre os tripulantes havia de tudo um pouco , uns mal chegavam corriam para o bairro Alto ou do Intendente na busca da tão sonhada prostituta branca , e se loirinha fosse , melhor  para a satisfação das suas necessidades sexuais.

 

Enquanto outros carregados de sacos de café puro angolano , liamba  ou diamante , marcavam seus encontros com seus amigos que já viviam em terra lusa , para fecharem seus negócios , nem sempre fabulosos , porque na maioria das vezes eram aldrabados. Para uns , pouco importava , porque se dizia que na terra não custava conseguir nova mercadoria , para a próxima viagem.

 

Também haviam aqueles que mal chegassem , tinham a curiosidade de pesquisar o mercado literário , na busca de novas e recentes obras de autores portugueses , que já foram muito vendidos na antiga livraria ( Lelo ) em Luanda.

 

Os tripulantes gostavam de viajar para Portugal onde se sentia tão avontade , se calhar por causa da língua , dos negócios, das prostitutas brancas , do vinho verde , dos fados , das bifanas , dos churrascos , ou dos amigos e familiares que viviam lá ?

 

Sinceramente falando , era o tempo em que Portugal parecia uma autentica ( Casa da mãe Joana ) , para os angolanos que dançavam o fado que queriam , vendiam e trocavam tudo que traziam das antigas chamadas províncias ultramarinas , sem grandes dificuldades  porque se dizia que era  do melhor.

 

Mal tinham seus negócios feitos , muito ao jeito do angolano , lá começavam as compras de quase tudo um pouco , não faltando a boa roupa de marca para gingar  , lá na terra e mostrar que veio da metrópole.

 

Afinal no meio daquela tripulação , não faltavam os secretas que vinham com missões bem traçadas no papel para serem executadas no terreno , de forma muito disfarçada e com muito cuidado para não deixar rasto.

 

Mduzo Duzit  --Foi uma das primeiras vitimas dessas acções macabras realizada pela Disa ( Secreta Angolana  ) , em terras Lusa. Ele já gozava do estatuto de ngundeiro em Portugal , conheci-o pessoalmente na travessia diária do rio Tejo , de uma margem para a outra.
Ele tinha muitos amigos e conhecidos que eram tripulantes e quando chegassem estavam quase sempre juntos , ora no Rossio , na Praça da Figueira , no Gingeral , ou na Discoteca do Bana , no largo da Saldanha.

 

Um dia desses Mduzo , foi convidado por um dos tantos amigos que tinha nos navios para um jantar á bordo do mesmo e nunca mais deu sinal de vida.

 

Tanto , a procura feita pelas autoridades portuguesas como os contactos feitos por famíliares  e amigos , quer em Angola como noutras paragens , em nada tinha resultado.
Até que um dia a polícia deu com seu corpo com pés e mãos amarrados á uma pedra ,sob a ponte de Almeirim.

 

Poucos dias depois , um outro angolano que também já gozava do estatuto de asilado político , seu corpo foi encontrado em Nazaré.

 

Esses e outros casos que se seguem , foram comentados , mais creio eu que ,  agora mais do que nunca , ficarão arrumados para sempre , por causas das relações especiais e do cuidado que é preciso ter , para não se perder os negócios fabulosos , com o regime de Luanda , pelo menos entendi assim , numa das intervenções recentes do professor Cavaco Silva em Angola.

 

Enquanto em países como a Alemanha e outros, muitos continuam a ser presos e julgados , para pagarem pelos crimes cometidos , alguns até há mais de 80 nos.
Venâncio Luís que era mais conhecido por " Gorduras "

 

A morte de Venâncio , outro asilado político , esse foi o que mais nos espantou pela forma estranha como ele morre num dos hospitais de Lisboa , com a versão de que sofria de um cancro coisa essa , que nunca nenhum dos familiares e amigo ouviram dizer que ele sofresse.
A juntar á estas mortes me recordo ainda como se fosse hoje , a  morte de um piloto da taag , que se dizia estar ligado á uma rede de traficantes de diamantes.

 

Alguns jornais na altura , ainda chegaram á fazer grandes comentários , gastando tanta tinta  para nada , porque no fundo seus familiares até hoje , estão sem saber concretamente as razões da sua morte .

 

Deste piloto também se falou que tinha ligações com a Disa e se calhar  , foi vitima da inconfidência , assim como no caso do Venâncio .

 

Daniel Fermenga

 

Esse entrou em Portugal por volta dos anos 80 / 81 , creio eu , num mês de Outubro , vindo da Tanzânia onde já gozava do  estatuto de ngundeiro , acabando também por morrer em Portugal poucos meses depois , de forma estranha , que até hoje pergunto :
Afinal por que razão ;  essa gente tinha que morrer daquele jeito , e qual era o critério ?


Foi nessa mesma altura em que numa operação denominada ( Operação Kuanza  ) houve uma busca feita  pela   Disa  , em alguns escritórios em terras lusa  , onde se falava que o objectivo era recolher uma grande quantia de Kuanzas escondidos ..

 

Fernando Vumby


Tudo pela pátria & Só por ela

Total-Alerta.blogspot.com



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: