Cabinda  - O Programa de Luta contra HIV-SIDA, na província de Cabinda, registou, em 2009, 1.564 novos casos positivos, num total de 30.945 pessoas que efectuaram o teste de despistagem, em vários centros hospitalares da região.


Fonte: Club-k.net


O responsável do Programa de Luta contra o HIV-SIDA, José Vada Júnior, mostra-se preocupada com o aumento do número de casos e revelou que das 1.945 pessoas diagnosticadas com o vírus, apenas 511 foram para os centros de aconselhamento, e 1.058, que não aceitaram o resultado do teste, continuam sem acompanhamento médico. 

 

José Vada Júnior referiu que das 7.722 pessoas que efectuaram o teste de HIV, no primeiro trimestre do ano em curso, 329 receberam resultados positivos. Acrescentou que das 3.405 mulheres, principalmente grávidas, que efectuaram o teste de HIV, no mesmo período, 72 estão infectadas. 

 

O responsável do Programa de Luta contra HIV-SIDA disse que o município de Cabinda, por ser o que possui maior número de habitantes, registou mais casos positivos, com 88,3 por cento, seguindo-se o município de Cacongo, com 7,8 por cento, Buco-Zau, com 3,1, e Belize, com 0, 7 por cento.

 

“A situação do HIV-SIDA na província de Cabinda é preocupante. Senão vejamos: num ano tivemos 1.564 casos positivos e se multiplicarmos este número por 10 poderemos concluir que, a continuar a propagação da doença a este ritmo, daqui a 10 anos teremos um número elevado de seropositivos no nosso meio, o que é um perigo para a sociedade. Por isso, cada um deve reflectir e fazer o seu teste de forma voluntária, para que saiba, o mais cedo possível, qual o seu estado serológico”, aconselhou.

 

O Programa de Luta contra o HIV-SIDA tem estado a desenvolver, em todos os municípios de Cabinda, actividades que pretendem sensibilizar as pessoas para os cuidados a ter na prevenção da doença. Em Maio, no âmbito das suas acções, o programa apresentou aos estudantes de diversas universidades locais os dados do HIV-SIDA na província, tendo aconselhado os alunos a reflectirem sobre os perigos que a enfermidade representa na sociedade.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: