Há pouco tempo escrevo para ti

Há mais de um século

Não escreves para mim

Sinto a tua falta

Como o céu sente a das estrelas

 

Sinto que partiste

Para bem longe daqui

Procuro-te infinitamente

Minha saudade de Jasmim

 

A tua caneta

Jorra tinta

Azul

Preta

Vermelha

A minha

Jorra tinta de saudade

 

Há muito que não falamos

Se comigo não falas

Com quem falas

Minha saudade de jasmim!?

 

Autor: Sandro Feijó (Poeta Universal)
Luanda / Viana

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: