Huambo - Anastácio Vianeke, secretário provincial da UNITA no Huambo, acusa o MPLA de ter morto a pancadaria a presidente da LIMA de Calilongue, Mundundu, município do Ukuma.

 

*António Capalandanda
Fonte: Voz da America


Em declarações a Voz da América, o político disse que, a dirigente da organização feminina do Galo Negro foi apedrejada pelos militantes do partido no poder, pelo facto de ter vestido uma camisola e lenço com o timbre da sua organização partidária.


“ No dia 3 de Agosto de 2010, foi morta a pancadaria, a pedrada, a Srª. Paulina Chinossole, presidente da LIMA do Mundundu, sector de Calilongue, só pelo facto de ter trazido posta a camisola da UNITA e um lenço também com o timbre da UNITA. Foi morta a pancadaria por dois homens e quando se acompanhou os rastos desses homens esses rastos foram ate a casa do secretario do MPLA nesse mesmo sector de Calilongue.”


Paulina Chinossole de 46 anos de idade foi assassinada, segundo a fonte, na noite de 3 de Agosto de 2010, na mesma altura em que elementos supostamente afectos ao MPLA incendiaram a casa do secretário do comité local dessa formação política.


Acrescentou ainda que, o incidente ocorreu após o governador da província, Faustino Muteka, ter orientado as forças armadas angolanas, policia nacional, bem como as autoridades tradicionais e membros do  MPLA para a pratica de intolerância politica.

 

“ No mesmo dia a noite queimaram a casa do secretario da UNITA daquela área, nesse momento, o secretário está sem casa, sem nenhum haveres, tudo ficou queimado” lamentou o dirigente.

 

Vieneke avançou que, “ no dia 4 são detidos quatros elementos familiares da malograda: são sobrinhos, irmãos, detidos pela polícia do Mundundu e consequentemente enviados para Ekuma.”

 

A Voz da América, tentou sem sucessos ouvir as autoridades províncias. Entretanto, numa carta dirigida ao delegado provincial do Ministério do Interior, com conhecimento da direcção da UNITA , Faustino Muteka, exigira a  abertura de um processo de investigação e apuramento dos motivos que levaram esse acto bárbaro, punindo os infractores.

 

No seu relatório a que a Voz da América teve acesso, o Galo Negro conclui que, desde a vigência do governador, Fautino Muteka, os administradores municipais e comunais não aceitam receber os membros do seu partido para saudações, muito menos para conversações e debates.

 

 A malograda deixa viúvo e cinco filhos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: