Lisboa –  Elementos  do regime angolano que mantém discretas “negociações”  com responsáveis do clero católico ligado a Rádio Eclésia, notam   que os seus interlocutores apresentam uma postura mais moldável quanto as exigências para a expansão,  do sinal da  Rádio Católica, em território nacional.

 

Fonte: Club-k.net

Eclésia  passa a emitir em três províncias

No  mais produtivo contacto que o clero católico, teve com o regime angolano foram deixadas  garantias segundo as quais a Rádio Eclésia  passaria numa primeira  fase,  a ensaiar  emissões locais em três regiões  angolanas nomeadamente na província do Bié, Malange e Kwanza-Sul, a partir do primeiro semestre de 2011.

 

Em contraposta da “oferta”,  corre em meios de organizações não governamentais (ONG) em Angola versões segundo a qual algumas  figuras da Igreja Católica terão dado indicadores de que para vincar o compromisso da expansão do sinal da emissora católica, os padres  estariam dispostos a afastar, do seu seio,  vozes tidas como criticas da linha de Justino Pinto de Andrade. Em meios da companhia, BBC World Service Trust, a instituição que  presta assessoria a Rádio, vinca a percepção de que por enquanto a figura de Justino Pinto  de Andrade “tem estado a pesar nos efeitos da medida”, por notarem que o mesmo dispõe de uma disponibilidade singular e sem paralelo.


Entretanto, ao invés de  sacrificarem o comentarista e acadêmico  Justino Pinto de Andrade, há leituras, nos referidos círculos descrevendo que  a direcção da Rádio terá adoptado por um comportamento equivalente destinado a  mostrar ao regime angolano de  que a Rádio Católica   esta mais dócil. Os sinais apontados como evidencia da argumentada leitura são resumidos nas seguintes observações;  a saber:


- A direcção da Rádio alterou a sua linha editorial; os noticiários deixaram de ser abertos com noticias de política; há rumores de ocorrência de censura contra  peças jornalísticas com teor de criticas ao regime do MPLA e seus respectivos membros.


- Censura aos quadros; no passado mês de  Junho um jornalista Tomas de Melo foi suspenso por ter alegadamente deixado passar no seu concorrido programa criticas contra o regime feitas pelos ouvintes que telefonavam. Tomas de Melo foi afastado do referido programa passando ser um simples repórter de rua.


- Não levantamento da suspensão do jornalista e correspondente da Radio na província do Namibe, Armando Chicoca. O profissional se  notabilizou  pelas reportagens de cunho social. Foi suspenso no ano passado,  no seguimento de uma reclamação, em carta  do Juiz  do Namibe, Antonio Vissandule, dirigida ao  Bispo Dom Mateus Feliciano e ao  Padre Mauricio Camuto alegando que  a emissora católica estava mal representada naquela província.


- Tendência propositada a neutralizar a Radio; a mesma passou a não demonstrar interesse na formação continua dos quadros. Há versões pouco serias insinuando que a falta de vontade serve para dar  prova ao MPLA de que esta em curso um plano de auto castração da radio.

 

A Radio Eclésia  é uma das estações mais escutada na capital de Angola concorrendo  com a radio Luanda. Conta com programas  educacionais voltado a religião. Até poucas semanas atrás  os seus noticiários lideram as audiências. Nas segunda feiras de manha, há um espaço que analise os tópicos dos semanários que é muito ouvido nas ruas e por gente do regime. As analises são feitas pelo emblemático  Justino Pinto de Andrade.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: